EDIÇÃO 70 » COLUNA NACIONAL

Volume x Retorno


Fábio Eiji

Hoje, trago à revista um texto que escrevi para o blog. Um tema de extrema relevância e cuja discussão, certamente, auxiliará iniciantes e jogadores um pouco mais experientes: a quantidade de telas que se deve jogar simultaneamente numa sessão.

Estamos partindo do pressuposto que quanto maior o número de torneios que jogados, mais dinheiro ganharemos. Essa é a ideia inicial, mas não é bem assim que as coisas funcionam. Independentemente do nível de jogo, existem fatores, não ligados diretamente ao jogo em si, que influenciam no desempenho do jogador. Por exemplo: jogar cansado depois de uma noite mal dormida. Você certamente não estará processando as informações tão bem e, portanto, não estará tomando as melhores decisões.

Dito isso, venho percebendo que os jogadores, mesmo os iniciantes, compreenderam a necessidade de se jogar um volume grande de torneios para diminuir a variância. O problema é que muitos fazem isso de maneira equivocada.

A ideia de jogar um volume grande de torneios, para que assim consigamos diminuir ao máximo as swings, que todos os jogadores de torneio estão sujeitos, é realmente muito válida, mas está baseada na aceitação, por parte do jogador, de que ele não jogará no mesmo nível que estaria caso estivesse jogando um volume menor, porém, com maior foco.

Vejam um exemplo: o Jogador X tem um ROI (retorno sobre investimento) de 30% em torneios de com buy-in de $10. Ou seja, a cada torneio de $10 jogado, ele ganha $13, o que corresponde a um lucro de $3. Mas esse ROI é uma estimativa baseada em seu melhor jogo. Quando ele joga, simultaneamente, dois ou até quatro torneios de $10, ele consegue manter um nível bom de jogo, de maneira que o seu ROI esteja muito próximo aos 30% estimados. Porém, quando ele começar a jogar 12 mesas, o cenário muda. O Jogador X terá menos tempo para assimilar as informações, tomar decisões e agir. Aqui, ele deixará de observar certos aspectos da dinâmica das mesas que antes não passariam despercebidos. Assim, seu ROI certamente será menor, algo próximo aos 20%.



E se ele resolver jogar 24 mesas? Seu nível de jogo cairá ainda mais e, consequentemente, seu ROI. Nesse cenário, o ROI deverá estar no máximo em 10%, mas muitas vezes será bem menor.

Então, vale a pena abrir mão do ROI em troca do volume?

A resposta, apesar de objetiva, não é tão simples. Se analisarmos os três cenários, nós teremos uma resposta matemática muito satisfatória. Supondo que jogando quatro mesas simultâneas, em um dia, consigamos jogar 20 torneios; logo, nosso dia de trabalho rende 20 x 3, o que nos dá um lucro de $60. No segundo cenário, nosso ROI baixou, mas nosso volume triplicou. Logo, 60 x 2 = $120. Já no terceiro cenário, com seis vezes mais volume, conseguimos jogar 120 x 1 de lucro, que rendem os mesmos $120 do segundo cenário.

A grande dificuldade consiste em ter uma noção real do quanto estimar de ROI. Poucos jogadores têm autocrítica e amostragem suficientes, para tomar como base, no momento de decidir quantos torneios jogar simultaneamente ou até mesmo quanto tempo passar registrando. Em geral, nos baseamos na simples ideia de que volume é importante, mas nos esquecemos da qualidade do nosso jogo. Isso, nas mãos de jogadores pouco preparados, é um perigo. No exemplo que usamos, o Jogador X é um bom jogador, com um ROI bastante decente, mas muitos jogadores ainda não têm experiência suficiente para ter 30% de ROI, como no primeiro cenário. No entanto, eles insistem em jogar o volume do terceiro cenário, fazendo com que sua estimativa de retorno chegue a ficar até mesmo negativa.



Alguns nomes têm a habilidade e capacidade de jogar competentemente dezenas de telas simultaneamente, mantendo um excelente nível de jogo. Para citar apenas os brasileiros, em espelho no Rafael “GM_Valter” Moraes, Caio Pessagno e Rodrigo “seijistar” Seij. Apesar de talentosos, garanto que nenhum deles começou jogando muitas mesas de uma vez, mas foram aprendendo a fazer isso com o tempo.

Cabe ao leitor decidir o ponto de convergência entre o ROI e o volume que melhor lhe atender. Mas não se esqueça de duas coisas: tente ser o mais honesto possível sobre seu desempenho e sua habilidade quando jogar diversas mesas; e não tenha pressa, pense primeiro em melhorar o seu nível de jogo para depois colher seus frutos.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×