EDIÇÃO 16 » FIQUE POR DENTRO

Fique Esperto


Gavin Griffin

Aprendendo a Ler Mãos

Uma das coisas mais gratificantes que se pode fazer é realizar uma boa leitura da mão de seu oponente. Qual é a melhor maneira de aprender essa habilidade? Especificamente, existe um livro, um programa de computador ou outro recurso que você recomende? Jogar milhares de mãos é ótimo, mas existe uma maneira melhor?
— Rick Sutliffe, Califórnia.

Oi, Rick:
Existem muitas formas de se aprender, desde programas de computador até livros. Infelizmente, quase sempre, você vai aprender a ler a mão de seu oponente apenas jogando muito. Quanto mais você joga com determinadas pessoas, mais fácil se torna ler as mãos deles. Você aprende mais sobre as mãos com as quais elas jogam de determinadas posições, quanto apostam com uma grande mão ou com uma pequena, e assim por diante. Existem tantos fatores envolvidos no aprendizado de leitura de mãos de um jogador que seria impossível listar todos.

Eis o que eu faço quando estou colocando alguém em uma mão. Primeiro, eu olho a posição dele. Na maioria das vezes, você pode colocar alguém em uma gama mais forte quando ele está em posição inicial e em uma gama mais loose quando está em posição mais final. Depois, eu tento lembrar outras mãos com que o presenciei jogar. Ele é loose, tight, passivo, agressivo, enganador? Em seguida, eu observo o estado mental dele. Ele sofreu algumas bad beats? Ele está tiltado? E, por fim, eu recordo a ação da mão. Todas essas diferentes peças de informação são pistas para as cartas que ele segura. Você não irá encontrar essas informações em um livro ou software.

No entanto, há dois livros que podem lhe "ensinar" sobre tells: o “Book of Tells”, de Mike Caro, e “Read ’em and Reap”, de Joe Navarro e Phil Hellmuth. O livro de Caro é útil contra novatos. Além disso, ele é bom porque alguns jogadores avançados dão tells falsas com base nesse livro. Joe Navarro é um ex-agente do FBI que dá palestras sobre linguagem corporal. Eu não li o livro dele, mas ouvi dizer que contém excelentes conclusões sobre leitura de linguagem corporal e como aplicar isso ao poker.

O que eu quero dizer é que realmente nada substitui a experiência. Sim, é uma boa idéia obter algumas informações de livros e afins, mas você não pode colocar alguém em uma gama de mãos a não ser que esteja prestando atenção ao que está acontecendo e seja capaz de utilizar as peças do quebra-cabeça que seu oponente lhe der e montar uma imagem clara. Os melhores jogadores do mundo utilizam todas as peças de informação que têm na memória contra você. Lembre-se de que o poker é um jogo de informações incompletas, e quem conseguir mais informações e utilizá-las corretamente, será mais bem sucedido.



Comportamento de Jogador

Gavin:
Eu sou praticante de poker online. Eu jamais joguei em um cassino antes e confio na TV como fonte de toda ação ao vivo que vejo. Quando a ESPN começou a exibir a World Series of Poker de 2008, eu não perdi uma transmissão. Sempre fui um grande fã de Scotty Nguyen, mas achei que o comportamento dele durante o torneio de H.O.R.S.E. de $50.000 foi absoluta e desnecessariamente desagradável. Todo o respeito que eu tinha por ele se foi, e eu não gostei nem um pouco da mesa final por causa das atitudes pouco profissionais dele. Esse tipo de comportamento é normal para pessoas que jogam poker em cassinos? Como você, enquanto jogador, lida com esse tipo de comportamento?
— Dean, Virgínia.

Oi, Dean:
Felizmente, essas atitudes não são normais para jogadores de cassinos, e não são comuns para Scotty Nguyen. Como qualquer outra pessoa, Scotty pode se aborrecer e tiltar um pouco, mas na maior parte do tempo ele trata bem os outros jogadores. Foi algo triste de se assistir, mas também é uma coisa boa de se ver. Jogadores de poker também são seres humanos, e estamos sujeitos a emoções. Ficamos frustrados quando as coisas vão mal e empolgados quando vão bem. Durante a maior parte do tempo, tentamos esconder nossas emoções, e talvez devêssemos, mas foi bom termos visto esse lado de Scotty para que aqueles que idolatram jogadores de poker percebam que talvez existam melhores modelos a se seguir do que nós. É claro que há alguns que você deve admirar, mas provavelmente há mundos melhores para se encontrar ídolos. Existem muitas histórias inspiradoras no mundo do poker, como as de caras como Scotty e outros que construíram uma ótima vida depois de sair de situações difíceis. Nós podemos encará-los como símbolos de perseverança, mas nem sempre como modelos de comportamento.

Quanto a como lidar com jogadores que saem da linha, eu sugiro primeiramente deixar que eles se acalmem. Se eles forem capazes de se recompor sem a necessidade de intervenção externa, é melhor lidar dessa maneira. Apenas ignore-os e não permita que isso afete seu jogo. Se um jogador começar a ofender outros jogadores ou o dealer, então é hora de envolver mais alguém. Chame o responsável pelo setor para que ele desempenhe seu papel. Eu acho que foi aí que a falha real da situação ocorreu. A equipe da WSOP desse ano fez um excelente trabalho, mas pecou em alguns momentos. Eles deveriam ter feito alguma coisa em relação a Scotty, sem dúvida. Ele foi ofensivo com os outros jogadores e com a equipe. Isso é inaceitável e deveriam ter lidado com o fato. Eles não podem alegar que ignoravam o ocorrido, pois estavam presentes. A situação com Phil Hellmuth durante o Main Event foi outra em que eles erraram. Phil fez algo que obviamente lhe garantia uma penalidade. Revelou-se falta de confiança nos responsáveis pelo setor quando Jack Effel revogou a decisão que já havia sido tomada. Também transparece muito protecionismo quando duas das maiores estrelas do poker não são penalizadas quando claramente mereciam. Ninguém merece ser tratado da maneira como Scotty e Phil trataram seus adversários, e Phil, Scotty ou qualquer outro não merecem nenhum tratamento especial apenas por serem mais famosos do que outros jogadores.

Eu queria que as coisas tivessem ocorrido de forma diferente na mesa final do evento de maior prestígio do poker, mas não foi o que aconteceu. Como sempre, entretanto, há uma lição a ser aprendida sobre como você deve proceder, como lidar com alguém que está fora de controle e que envolvimento a equipe deve ter.

Gavin Griffin é membro do Team PokerStars. Visite o website dele em www.gavingriffin.net




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×