EDIÇÃO 11 » COLUNA INTERNACIONAL

Poker de Pequenos Potes e Jogada Controversa

Será que errei mesmo?


Phil Hellmuth

Há algumas semanas, assisti ao vídeo da mesa final em que ganhei meu 11º bracelete de ouro. Eu me lembro de como aquele dia foi especial para mim, e de como o número 11 marcou a ocasião. Primeiramente, eu consegui minha 11ª vitória na World Series of Poker, um recorde mundial. Segundo, a mesa final ocorreu no dia 11 de junho. E, finalmente, minha irmã mais nova, Molly, para quem o bracelete havia sido prometido há muitos anos, nasceu em 11/11/1971. É claro que Molly me enviou um e-mail dizendo que eu estava destinado a ganhar por causa de todos esses onzes. Obrigado, Molly, esse e-mail me ajudou a acreditar que eu iria vencer! (Foi meio estranho!). Esse 11º bracelete reside na cidade de Nova York com Molly.

Enquanto assistia ao vídeo, notei uma mão interessante, uma que o comentarista, Robert Williamson, disse que eu joguei mal. Mas eis minha versão: Rick Fuller era o chip leader com 1,6 milhões e eu era o segundo, com 1,5 milhões. Com nove participantes, blinds em 15.000-30.000 e antes de 4.000, eu abri um raise de 90.000 com A-J. Fuller estudou por um instante com K8 e eu disse: “Rick, não me faça pagar um milhão quando eu sei que lhe derrotei!” Então, Fuller pagou e todo mundo desistiu. O flop trouxe A95. Eu tinha flopado o top pair e Fuller o nut-flush draw. Pedi mesa e Fuller também. No turn, apareceu o J e eu apostei 50.000 com meus dois pares altos. Fuller aumentou para 150.000. Eu paguei, o que fez com que Williamson dissesse: “Esse foi um call ruim: Phil deveria ter re-aumentado aí”. Quando o river trouxe o K, eu apostei 200.000 e Fuller, que não havia acertado seu flush, largou.

O que aconteceu nessa mão? Eu joguei mal? Eu gosto de meu aumento pré-flop de 90.000, mas não gosto do call de Fuller com K8. Por que pagar com essa mão, especialmente contra mim? É muito difícil ganhar um grande pote, e muito fácil perder um médio (por exemplo, com um bordo contendo J-8-2-4-6). Esse simplesmente não é o tipo de mão que você gostaria de jogar com um aumento. Eu gosto de meu check no flop. Se eu tivesse apostado, teria sido difícil para mim pagar um raise depois. Gosto do pedido de mesa de Fuller no flop também. Por que não ver uma carta grátis? Se Fuller tivesse apostado nesse momento e eu aumentado, ele seria forçado a dar fold. E por que colocar muitas fichas em um pote com um draw?

No turn, executei um pequeno float de 50.000 em um pote de cerca de 200.000. Com essa aposta, eu esperava duas coisas: primeiro, que Fuller não acertasse seu draw e, segundo, que ele pensasse que eu estava fraco. Obviamente, se ele achasse que eu estava fraco, seria natural que ele pagasse ou aumentasse com uma mão fraca, ou mesmo blefasse. Outra virtude da aposta de 50.000 foi que, se Fuller tivesse uma trinca, eu estaria potencialmente minimizando minhas perdas na mão. Eu não me importo com o aumento de 100.000 de Fuller, mas seria melhor que ele tivesse pagado a aposta de 50.000. Embora o raise dele tenha lhe dado a chance de levar o pote, ele também me deu a chance de re-aumentar e forçá-lo a desistir. OK, meu call de 100.000 foi um pouco estranho, e Williamson o classificou de jogada errada.

Darei a Williamson duas considerações. Primeiro, um pagamento aqui, tradicionalmente, é uma jogada ruim. Dois pares altos formam uma mão muito forte, e você tem a chance de levar um grande pote ou afastar um jogador com um flush draw. Segundo, se eu soubesse que Fuller tinha um draw, eu teria re-aumentado, pois iria querer cobrar caro para ele tentar acertar a mão, ou forçá-lo a desistir. Minhas duas considerações são as seguintes: primeiro, eu dou ao meu oponente a chance de perder mais dinheiro se ele tiver apenas um par, como A-8, A-10 ou A-2, ao apenas pagar os 100.000 e depois apostar no river. Minha segunda e mais importante consideração é que, se eu perder o pote, dou-me outra “vida” agindo assim (lembre-se que Fuller tem mais dinheiro do que eu aqui). Pense a respeito: se eu re-aumentar e Fuller tiver uma trinca, eu saio do torneio ao ser forçado a pagar o raise all-in dele! Do mesmo modo, se eu re-aumentasse e ele tivesse um draw e fosse de all-in, eu pagaria também, e arriscaria perder tudo se ele acertasse a pedida. Então, eu simplesmente paguei, para evitar a remota possibilidade de ser eliminado, pois pensei que poderia ficar em primeiro ou segundo lugar sem arriscar todas as minhas fichas em um pote. Eu estava jogando com muito receio? Williamson está certo? Sim, para a grande maioria do mundo, um call aqui foi errado. Mas, para mim, com o conhecimento que acumulei em 25 anos como profissional, que me garantiu 11 braceletes da WSOP em hold’em, eu gosto do meu pagamento.

Fazer de tudo para evitar ir de all-in é bastante conservador e lhe dá muitas vidas, mas pode ser uma movimento errado para a maioria dos jogadores.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×