EDIÇÃO 91 » COLUNA NACIONAL

Você realmente sabe o que é uma bad beat?


Ramon Sfalsin
No poker, você deve ter memória curta para bad beats. Um jogador capaz de superar uma bad beat consegue manter a percepção técnica das mãos e dos adversários. Deixar na cabeça uma jogada malsucedida, só irá impedir que você jogue o seu melhor poker.
 
Uma bad beat ocorre quando você tem uma mão que é claramente a favorita, mas acaba perdendo. Diferentemente de um jogador recreativo, o profissional passa dezenas de horas quebrando a cabeça a cada mão, tentando tomar as decisões mais lucrativas. Fazer atividades físicas e descansar são algumas opções para suportar esse desgaste diário, mas há situações que os jogadores se estressam à toa, rotulando equivocadamente uma situação como bad beat.



Exemplo 1 
Estou no meio da mesa, dou raise com Q-Q e o vilão, que está com poucos big blinds, no button, paga a minha aposta. O flop é Q63. Eu aposto metade do pote, o vilão paga com o restante das suas fichas e apresenta A-A. O turn é um 4; o river é um A. “Oh, droga!”. Antes de se estressar, vamos parar e pensar um pouco. O all-in pré-flop do vilão era o padrão nessa mão e ele só não foi de all-in para diversificar a forma de jogar, mas é obvio que esta mão teria o mesmo rumo seja pré-flop ou no flop, ou seja, se eu ganhasse com o Q-Q, teria dado uma bad beat no vilão.
 
Exemplo 2
 Reta final do Sunday Million, todos os jogadores desistem até o vilão no button, que dá all-in. Eu pago com A-K no big blind. O vilão apresenta 75 e as cartas comunitárias são 8-4-J-7-4. O A-K é favorito contra 75 antes do flop, mas apenas 60% contra 40% e não há possibilidade de considerar isso como uma bad beat, já que a vantagem é bem pequena.
 
Exemplo 3
O vilão dá all-in, eu pago com TT e ele mostra T7. A decisão aqui foi pré-flop, eu tenho 85% e não importam a ordem das cartas que serão abertas, pois na lógica as cinco cartas deveriam ser abertas todas de uma só vez, ou seja, não importa se bater 9-8-6-8-8, 8-8-9-6-8 ou A-7-7-5-3. O vilão que menciona ter tomado uma bad beat tendo T7 nos dois primeiros boards está completamente errado.

Pensando tecnicamente, a forma de se pensar no exemplo 3 ainda está errado, pois o correto seria estipular um grupo de mãos que o vilão daria all-in e compará-lo com a minha mão. Não importa se no showdown o vilão mostrou A-A, se eu dei uma bad beat ou se bateu 9-8-6-8-8, 8-8-9-6-8, A-7-7-5-3, o meu objetivo é estipular o range de all-in do oponente e compará-lo com a minha mão. Portanto, se estipulei que o range do vilão é 22+, AT+, KJ+ e QJs, ganharei 58,5% das vezes e ponto final. As cartas no board e o showdown serão sempre indiferentes, a não ser que ele dê um showdown de A5o, aí eu preciso fazer uma anotação para determinar melhor o range de shove do oponente na próxima vez.



Há também um engano comum em acreditar que existem mais bad beats online do que em jogos ao vivo. Estatisticamente falando, ambos ocorrem com a mesma frequência, mas na internet conseguimos jogar mais mãos por hora e a probabilidade de que experimentemos as bad beats aumentará inevitavelmente.
 
Se você joga corretamente e ainda assim perde por um longo período de tempo, isso pode facilmente ocasionar o que é chamado de 'tilt' — um estado emocional que lhe impede de jogar o seu melhor poker, levando a mais perdas causadas por jogadas que você sabe que estão erradas. Na maioria dos casos, o tilt é ocasionado por uma bad beat ou por um downswing (perdas consistentes por um longo período). Você deve evitar entrar em tilt a todo custo, já que não estará apto a tomar decisões corretas nesse estado. Como em qualquer outra profissão ou entretenimento, se você estiver tiltado, deverá se afastar e dar um tempo para recuperar o melhor do seu estado mental.
 
No poker, a variância é um fator sobre a qual não temos controle e pode desempenhar um grande papel a curto prazo. Por outro lado, são esses aspectos que tornam o jogo tão interessante e atrativo, e o controle mental para lidar com bad beats é uma das características dos melhores jogadores do mundo.


NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×