EDIÇÃO 49 » ESPECIAIS

Vencedores WSOP 2011


Ryan Lucchesi
BRIAN RAST - PLAYER´S CHAMPIOSHIP DE US$50.000

Até o início do prestigiado Player´s Championship de US$50.000, nenhum jogador havia ganhado mais de um bracelete nesta WSOP. Alguns dos 127 inscritos no evento tinham a chance de manter a escrita, mas precisariam superar o field talvez mais do ano e competir em oito modalidades de poker: limit hold’em, Omaha eight-or-better, razz, seven-card stud, seven-card stud eight-or-better, deuce-to-seven triple-draw, no-limit hold’em e pot-limit Omaha.

Um desses jogadores era o profissional Brian Rast, que ganhara seu primeiro bracelete da WSOP em um evento de pot-limit hold’em de $1.500 no começo de junho. No supertorneio, ele enfrentou adversários focados não apenas em abocanhar parte da prize pool de US$6.144.000, mas também em vencer para adicionar seu nome ao troféu Chip Reese.

No final, Rast emergiu do heads-up decisivo derrotando Phil Hellmuth para se tornar campeão.

JR: Você veio para Las Vegas e passou a disputar cash games high stakes. Porém, curiosamente, grande parte dos $3 milhões que você ganhou em sua carreira veio dos torneios. Você se considera um jogador de torneios ou de cash games?

BR: Eu sempre fui mais jogador de cash do que de torneio. Se você olhar meu histórico de buy-ins, verá que eu realmente não me aventurei fora de Las Vegas ou Los Angeles para jogar nenhum evento. Meu foco sempre foi em encontrar a melhor ação, e frequentemente encontro isso nos jogos paralelos.

Há uma razão para as pessoas gostarem de torneios. Eles são empolgantes e você tem a chance de ganhar um valor enorme e mudar de vida, mas eles também são muito voláteis, e a variância sempre afeta algumas pessoas. Até esse ano, eu precisei me forçar a acreditar que minha hora estava próxima após tantas tentativas.

JR: O evento $50.000 Players Championship é composto por oito jogos e um field que inclui os melhores jogadores do mundo. Nesse torneio, como você aborda as modalidades que lhe são mais fáceis?

BR:
Eu estava um pouco à frente da turma quanto aos mixed games. Não sou um expert, mas passei um ano ou dois trabalhando nisso, aprendendo a matemática e ficando confortável com as várias situações que poderiam ocorrer.

Eu meio que parei no último ano mais ou menos, simplesmente porque queria focar em cash games de no-limit hold’em e pot-limit Omaha, mas no geral eu sou costumo ser bastante sólido em diversas variantes do poker. Eu tento gerar um pouco de ação durante as rodadas de pot-limit Omaha. Todo mundo era competente em no-limit, então eu tirei proveito do jogo fraco de Omaha de alguns. Fiquei aliviado quando chegamos à mesa final e passamos a jogar exclusivamente no-limit hold’em.


Os 12 trabalhos de Hellmuth
O segundo colocado no Player´s Championship foi o folclórico Phil Hellmuth, recordista de braceletes da WSOP, com 11. Ele ficou em 2º lugar outras duas vezes na World Series desse ano.



BERTRAND GROSPELLIER - SEVEN-CARD STUD CHAMPIONSHIP DE US$10.000


Antes do poker, Bertrand Grospellier já era uma lenda dos games, mais especificamente de Starcraft, do qual foi campeão mundial. Com sua vitória na WSOP 2011, ele deu mais um passo para tornar-se uma lenda também no pano verde: “ElkY” ganhou o Seven-Card Stud Championship de $10.000, embolsou $331.639 e conquistou seu primeiro bracelete.

Com a vitória, ele se tornou o quarto jogador a ganhar a Tríplice Coroa, apenas seis anos depois de migrar para a arena live. Seu título da WSOP se juntou ao do PokerStars Caribbean Adventure 2008 e ao do WPT Festa al Lago 2008, dando ao francês a tão cobiçada honraria do poker.

Entenda um pouco melhor o pensamento de “ElkY” com relação ao Seven Card Stud.

RL: Você já afirmou que um dos seus pontos fortes no poker é a observação. Esse é um aspecto importante do seven-card stud. É por causa dessa habilidade que você conseguiu aprender tão rápido?

BG:
Isso foi muito importante, e realmente me ajudou muito. É uma qualidade que lhe ajuda bastante quando você precisa saber quantos outs tem, dependendo de qual você acha que é o bordo e que cartas foram distribuídas, e ajuda muito quando você está decidindo com que mãos deve começar a jogar. Esse foi o problema quando ficamos short-handed, pois você não vê tantas cartas.

RL: Com sua experiência atual, que conselho você daria aos jogadores que querem aprender seven-card stud?

BG:
É muito importante permanecer sempre focado. Há algumas situações em no-limit hold’em nas quais, se você tiver uma mão ruim, é bom conhecer o ritmo do jogo, pois você não vê tantas cartas, então sabe quando ficar longe da ação. Mas em stud, se você desviar a atenção da ação durante cinco segundos e três jogadores descartarem, você não sabe quais eram as cartas deles. Se um jogador descartar e um rei já tiver ido para o lixo, e você tiver um rei aberto, isso pode mudar demais a ação e a dinâmica. Mesmo que você tenha uma boa mão e suas cartas abertas sejam fortes, eles não lhe respeitarão tanto, pois um rei já está morto. Há muitas coisas a se observar. É muito importante prestar atenção a cada minuto do jogo.



JAKE CODE - HEADS-UP CHAMPIONSHIP DE US$25.000

Para Jake Code, a vitória no Heads-up Championship de US$25.000 foi a cereja do bolo de uma boa fase que começou em 2010, quando ele cravou o EPT Deauville, faturando US$1.199.037, e também o London Poker Classic, que lhe garantiu mais $425.492 dólares.

Com os US$851.192 recebidos na WSOP, seus ganhos na carreira saltaram para $2.901.131. Além disso, e ele conseguiu uma proeza até então exclusiva de dois jogadores, o norte-americano Gavin Griffin e o também britânico Roland de Wolfe: Jake Cody se tornou o terceiro, e mais jovem, detentor da Tríplice Coroa do Poker.

Confira algumas dicas de Jake Cody para Heads-Up:

RL: Como você se prepara para um torneio heads-up?

JC:
Antes de jogar, principalmente torneios live, eu grindava um pouco heads-up online. Ultimamente tenho assistido a muitos vídeos de treinamento heads-up high-stakes.

RL: Que conselho você daria para os jogadores que querem começar a jogar mais heads-up?

JC
: Considero muito importante ser destemido e autocrítico. Mesmo que você ache que está jogando bem, ainda assim deve considerar algo a mudar e melhorar.
Também é preciso ser muito flexível ao jogar heads-up. Uma das coisas mais importantes aqui é se ajustar aos seus oponentes para combater seus estilos. Não facilite para eles. Seja sempre aquele que faz com que eles respondam perguntas.

RL: Se um jogador tiver uma forte leitura sua no heads-up, como você tenta mudar sua estratégia?

JC:
Eu costumo desacelerar as coisas e gastar alguns segundos em casa decisão que tomo. Quando o cara está puxando todos os potes, é como se tivesse levado você para as cordas, mas isso também pode ser uma estratégia sua para esfriar a luta. No futebol, seria como ficar trabalhando a bola no campo de defesa até encontrar os melhores espaços.

O caminho de Jake Code rumo ao título:
1ª fase: Brandon Adams
2ª fase: Frank Kassela
3ª fase: Dani Stern
Oitavas: Jonathan Jaffee
Quartas: Anthony Guetti
Semifinal: Gus Hansen
Final: Yevgeniy Timoshenko



NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×