EDIÇÃO 49 » ESTRATÉGIAS E ANÁLISES

Manual prático para criação de “notes”

Anota aí!


Diógenes Malaquias

Volta e meia alguém menciona a importância de se fazer anotações sobre os adversários. Mas não me lembro de ter visto algum artigo que ensinasse, na prática, como fazer isso. Pois bem, chegou a hora: nesta edição você vai aprender a otimizar sua leituras dos oponentes através das famosas “notes”.

Os jogadores de poker em geral tomam bem menos notas dos oponentes do que deveriam. Talvez por preguiça, talvez por não saber mesmo como fazer. Infelizmente, esse mau costume diminui a lucratividade, é óbvio.

O primeiro passo de uma boa “note” é enquadrar o oponente em uma dentre três categorias: donkey, regular fraco ou regular bom. Quando jogo online, eu escolho a marcação amarela para o primeiro, azul claro para o segundo e azul escuro para o terceiro. Assim, rapidamente já identifico meu oponente.

Em seguida, você deve tentar anotar o máximo de padrões possíveis dele. Alguns exemplos dessas notes estão listados  a seguir. Vale ressaltar que todas as anotações que eu faço para os regulares bons eu também aplico aos fracos.



Para os donkeys:
•    Ele é doador ou apenas ruim?
•    Até que momento da mão ele paga qualquer aposta?
•    Ele paga mais em posição ou não faz diferenciação entre falar primeiro ou por último?
•    Com que tipos de draws ele paga em posição? E fora de posição?
•    No river, ele é passivo ou agressivo?
•    Com draws, ele é agressivo ou passivo?
•    Ele faz slowplay?

Para regulares fracos:
•    Por que (detalhadamente) eu o considero fraco?
•    Todas as perguntas voltadas para os regulares bons.

Regulares bons:

•    Eu já o vi pagar com mãos muito fracas ou muito fortes em posição (Q6s, J9o, AA, KK)?
•    Eu já o vi abrir raise com mãos muito fracas de qualquer posição (75s do UTG, 87o do CO)?
•    Ele possui um range de 3-bet despolarizado (AA, AJo, KJs, 87s) ou polarizado (AA, QQ, 65s, 33)?
•    Como ele joga seus flush draws no flop? E os combo draws? Agressiva ou passivamente?
•    Como é seu range de c-bet? É polarizado (dá c-bet com mãos boas ou mãos fracas) ou despolarizado (também dá c-bet com mãos médias)?
•    Há alguma ação predominante em alguma rodada de aposta? Muito raise no flop? Muito call no turn? Muito fold no river?
•    Ele dá donk bet? Com que mãos?
•    Com que mãos ele já me viu dando donk bets?

Enfim, ainda há uma infinidade de notes que podemos fazer sobre os nossos adversários. Para otimizá-las, sugiro que você as faça de forma organizada, e as divida de alguma maneira. Não é interessante ter uma parede de textos desorganizada para ler e pensar em 30 ou 60 segundos.



Outra recomendação importante é usar abreviaturas para palavras recorrentes, de modo a deixar suas notes menores. Dê uma olhada em algumas abreviações que eu uso:

f = flop
t = turn
ri = river
cb = c-bet
3b = 3-bet
4b = 4-bet
5b = 5-bet
ch/r = check e raise
ch/c = check e call
ch/ch = check e check
w = with (com)
peel = pagar com um mão ruim
ra = rainbow
m = monotone
flush draw = fd
tptk = top par e top kicker
oop = out of position (fora de posição)

Imagine a seguinte situação: Eu dou raise do cutoff e o big blind paga fora de posição. Todos os outros dão fold. O flop vem K-8-5, ele pede mesa e eu dou uma continuation-bet. Ele Paga. No turn bate um 2 e ambos dão check. No river vem outro 2, ele aposta e eu pago. No showdown, ele mostra 9-6 do mesmo naipe, não acertando nada.

Na linguagem cifrada das notes, toda essa descrição se resumiria a “C R do CO OOP W 96S. PEEL F K85, CH/CH T e B RI W AIR”.

Isso nada mais é do que a abreviação da descrição simplificada em inglês: (C) call, (R) raise, (CO) cutoff, (OOP) out of position, (W) with, (96s) 9-6 suited, (PEEL), (F) flop K-8-5, (CH/CH) check-check, (B) bet, (RI) river, (W) with, (AIR) sem nada.

Agora, dê uma olhada em um exemplo de adaptação que você precisa fazer em razão de ter notes dos oponentes. Digamos que, de acordo com as suas anotações sobre determinado oponente, você sabe que ele costuma jogar flush draws de forma agressiva, dando raise no flop e indo all-in.

Assim, você abre raise pré-flop com par de valetes, ele paga em posição e o flop vem 8-5-6 com flush draw. Você aposta e ele aumenta. Aqui você deve largar sua mão, pois, por mais que haja possibilidade de flush, no range dele também há trincas e dois pares (ele joga de forma agressiva, lembra?), e muitas vezes os flush draws dele possuem overcards.

Porém, se ele apenas pagar sua aposta no flop, e no turn vier um 5 de outro naipe, aposte outra vez. Mas, e se ele pagar e no river vier uma carta que completa o flush? Aqui, você pode ter certeza de que ele não tem flush no range dele, pois, segundo nossas notes, ele não iria até o river com um flush draw – ele teria aumentado no flop ou no turn.

Esse é o tipo de vantagem que você só possuirá se tiver feito anotações do oponente. Sem as notes, você jamais teria essa informação decisiva. E como diz o ditado, “em terra de informações incompletas, quem sabe um pouquinho sobre o oponente é rei”, ou coisa que o valha. Até a próxima.





NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×