EDIÇÃO 43 » ESTRATÉGIAS E ANÁLISES

Introdução à Teoria da Projeção

Oponente Fatiado


Diógenes Malaquias

Nessa edição, vou falar sobre algo especial, inédito em português. Trata-se de uma teoria psicológica fácil de ser entendida e usada, e que se aplica a qualquer modalidade de poker, a Teoria da Projeção.

O poker moderno possui alguns nichos: cash game ao vivo ou online, torneios ao vivo ou online, sit ’n go etc. É quase consenso que o cash game high stakes online, aquele em que as apostas podem passar de seis dígitos, é o mais técnico.

E é nesse habitat restrito que você encontra os estudiosos do jogo, sujeitos que lucram milhões de dólares por ano nas mesas. Também é onde muitas teorias inovadoras são criadas e lá permanecem, guardadas a sete chaves. Só depois, a conta-gotas, esse conhecimento acaba se diluindo entre nós, meros mortais. É justamente um desses “segredos” que eu escancaro agora para vocês.

De forma objetiva, a Projeção afirma que “o ser humano acredita que as outras pessoas pensam como ele”. Fixe isso na sua memória, pois em um jogo mental como o poker, essa frase tem mais aplicações do que conseguimos enxergar de cara.

O primeiro passo para aplicar a Projeção é conhecer o nosso adversário. Precisamos saber como ele pensa, para então entender como ele projeta a forma como nós pensamos. Para deixar mais claro, vamos analisar dois exemplos baseados em fatores importantes.

Exemplo 1: adversário paga raise pré-flop com pares baixos, de 22 a 99, e cartas altas como KQ.

Projeção: ele pensa que nós também damos call pré-flop com essa mesma gama de mãos.

Contra-ataque: nessa situação hipotética, o adversário dá raise do button, posição em que as pessoas aumentam com muitas mãos. Nós pagamos com 87 do mesmo naipe e o flop vem Q-J-2. De acordo com a Teoria da Projeção, a melhor jogada aqui é pedir mesa e esperar ele apostar, para então voltar reraise blefando.

Por que: levando em conta que o adversário projeta que nós pagamos raises pré-flop com mãos como KQ e QJ, ele dará muito crédito ao nosso blefe.

Exemplo 2: adversário dá check-raise blefando no flop.

Projeção: na cabeça do oponente, vamos dar check-raise blefando no flop assim que tivermos a chance.

Contra-ataque: nesse caso, digamos que ele aumenta de posição inicial e nós damos call dos blinds com 77. O flop vem Q-J-7 com duas cartas do mesmo naipe. Aqui, devemos dar check-raise, pois, a partir da projeção dele, nós estaríamos blefando.

Por que: ele vai pensar que a maior parte da nossa gama de mãos é formada por draws e cartas aleatórias. E vai continuar na briga pelo pote com mãos como KQ, AJ e flush draw com cartas altas. Mas todas estão perdendo feio para nossa trinca.

Seguindo essa linha de raciocínio, se um adversário dá check-raise blefando, raramente faça isso contra ele. Da mesma forma, se o check-raise dele nunca é um blefe, abuse do check-raise blefando. Por quê? Projeção.

Espero que vocês tenham gostado dessa introdução à Teoria da Projeção. No mês que vem, vamos nos aprofundar um pouco mais e entender outras aplicações dessa verdadeira maravilha. Até lá.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×