EDIÇÃO 17 » COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES

Perguntas Inocentes, Respostas Complexas

O fascínio do poker enquanto estilo de vida e carreira


John Vorhaus

Eu tenho dado muitas entrevistas ultimamente para promover meu novo romance sobre poker, Under the Gun, e notei que muitos dos entrevistadores de publicações de interesse geral denunciam uma fascinação enrustida pelo poker enquanto estilo de vida e carreira. E embora eu tenha passado muito tempo assegurando os jornalistas de que o poker (a) é legal, (b) não tem nada a ver com contagem de cartas e (c) não envolve armas, dívidas de terras ou músicas de Kenny Rogers, creio que tenho lidado principalmente com pessoas que secretamente se perguntam: “O poker é o jogo para mim?” Com isso em mente, eu gostaria de compartilhar com vocês o texto e subtexto de algumas dessas recentes discussões: as perguntas que me foram feitas e as respostas que eu dei ou deixei de dar.

É possível ganhar no poker? Claro que é, totalmente. Caso contrário, quem jogaria? A verdadeira intenção da pergunta, porém, é se o tolo (ou repórter) comum pode se tornar um jogador de poker vencedor, e a resposta é mais complexa. Primeiro, sabemos que se todo mundo tivesse habilidades equivalentes, todo mundo perderia, graças ao rake. Para ser um jogador vencedor, portanto, é preciso vencer não apenas seus adversários, mas também o rake.

 O poker, eu digo aos entrevistadores, é uma pirâmide, com uma ampla e larga base de perdedores que financiam um decrescente número de jogadores acima deles. Esses semi-vencedores, por sua vez, financiam uma pequena percentagem de excelentes jogadores. Pela lógica da pirâmide, a maioria dos jogadores são perdedores, pagando a minoria de vencedores acima da pirâmide, que paga, por sua vez, a pequena fração de jogadores verdadeiramente excelentes. Então — é possível ganhar no poker? Claro... se você tiver talento, instinto, coragem, atenção e rígida ética de trabalho. Caso contrário, não muito.

Qual o pior erro que um jogador de poker pode cometer? Sempre que me fazem essa pergunta, eu respondo: “Jogar muitas mãos”. Eu dou essa resposta por que é fácil de explicar e fácil de entender. O poker, eu digo, é como uma corrida, e sempre que você começa com mãos melhores que seus oponentes, está se dando uma boa vantagem inicial, de certo modo. Naturalmente, essa vantagem inicial é boa e, no longo prazo, se você desistir dessa vantagem (jogando muitas mãos e, portanto, muitas mãos ruins), não pode esperar ganhar. Portanto... estratégia simples... apenas jogue mais tight do que os outros caras, dê a si mesmo essa vantagem inicial e você acabará em primeiro lugar com mais freqüência.

Essa é a resposta que eu dou — mas não é nela que eu creio. Eu acho, na verdade, que jogar muito alto — colocando uma grande percentagem de seu bankroll em jogo — é um erro mais catastrófico, pois a mera flutuação natural pode lhe deixar quebrado e fora da ação, e como é possível ser um jogador vencedor se não puder sequer entrar no jogo? Mas eu não dou essa resposta porque você tem que ser um jogador para compreendê-la. Para quem já joga, eu digo para nunca colocar mais de 5% de seu bankroll em jogo de uma vez. Dessa maneira, é improvável que você quebre, e esse não é um mau resultado, não importa em que lugar da pirâmide esteja.

O poker online é seguro? Bem, atravessar a rua é seguro? Bungee jumping? Andar de bicicleta sem capacete? Eu não acho que o poker online seja intrinsecamente seguro ou inseguro. Ele tem riscos, como tudo, e o jogador inteligente avalia o risco e age de acordo.


O poker online é um campo de jogo geralmente justo e equilibrado, e o dinheiro que você coloca no jogo online é geralmente seguro. Dito isso, há casos documentados de trapaças online, desde conluio entre usuários até hackeamento de software. Também há casos documentados de jogadores que não conseguiram reaver seu dinheiro de sites de poker. E existe o perigo sempre presente de, você sabe, simplesmente não jogar muito bem. Com todas essas coisas em mente, eu aconselho aos não-jogadores e novatos a jamais colocarem quantias de dinheiro maiores do que recreativas no jogo online. Dessa maneira, se algo ruim acontecer, o dano será mínimo, um baque que você pode suportar.

Você pode se sustentar jogando poker? Eu, particularmente? Não. “Enquanto jogador de poker, eu sou um ótimo escritor”. Além disso, eu não tenho o destemor nem a obsessão de propósito necessária para seguir uma carreira no poker. Além disso, eu geralmente me entedio. Eu acho a escrita uma atividade muito mais urgente e cotidiana. Mas isso para mim. Para os outros, eu diria: “Sim, você pode se sustentar jogando poker, mas precisa investir alto para isso”.

Pensando novamente naquela pirâmide, e imaginando que “apenas vencer no jogo” não será suficiente, você sabe que terá de estar na pequena minoria de jogadores verdadeiramente excelentes — os melhores dos melhores dos melhores — apenas para se manter. Eu não estou dizendo que é impossível, afinal, alguém consegue ser o melhor, seja em baseball, dardos, atuação, poker ou qualquer outra coisa. Ajuda se você tiver gastos mínimos — uma pequena despesa mensal — e é vital que sua dedicação, disciplina e habilidades de gerenciamento de bankroll sejam duramente fortes. Eu jamais desencorajaria alguém de tentar se tornar um profissional — eu não costumo desencorajar sonhos — mas jamais diria que não é difícil que se consiga obter sucesso.

O que é preciso para ganhar? Eu acho que a maioria dos entrevistadores espera que eu diga “sorte”, mas é claro que eu não digo, pois a sorte acaba empatando, e todo mundo tem o mesmo montante de sorte no final. Eu posso dizer que “reação à sorte” seja uma característica vencedora, pois aqueles que aproveitam ao máximo sua boa sorte e sofrem menos com sua má sorte (não apenas financeiramente, mas mentalmente) tendem a se dar melhor no geral. Mas essa resposta não é sincera. Na verdade não há uma coisa que baste para ganhar.

Você classificaria habilidades matemáticas acima de psicologia? Memória acima de conhecimento de odds? Auto-conhecimento acima de leitura de tells? E quanto à sua experiência, estudo, habilidade de blefar, resistência ao tilt, seleção de jogos, saber quando sair, gerenciamento de imagem ou o bom e velho instinto? O poker é um jogo complexo que requer um pacote completo de habilidades. Para ganhar, é preciso fazer uma centena de coisas certas na mesa — e depois não fazer outra centena de coisas erradas longe dela. Ainda assim, a alardeada “difícil maneira de ter uma vida fácil” continua a ser uma promessa sedutora para quem não conhece o jogo, especialmente, ao que parece, para os jornalistas, então eu tento dar a eles uma resposta que faça sentido. Eu resumo tudo a: “Leve o jogo a sério. Se você não levá-lo a sério, não o suportará bem”. Isso parece satisfazer os jornalistas, e eu espero que sim, pois conto com eles para boas críticas!




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×