EDIÇÃO 22 » COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES

Três Cabeças Pensam Melhor Do Que Uma

Três Jovens de Curitiba Criam Seu Próprio Quartel-General do Poker


Geraldo Campêlo

Sempre acreditei que a troca de informações e experiências ajuda muito no cotidiano de um jogador de poker. Para confirmar esta teoria, trago até vocês um bate-papo que tive com um grupo de jovens talentos de Curitiba. Eles alugaram um apartamento e se reúnem todos os dias para trabalhar e se ajudar mutuamente.

Apesar da pouca idade, todos eles já têm uma história de sucesso dentro do poker nacional e internacional, e são figurinhas carimbadas nos grandes torneios, sit-and-go’s e cashes tanto online quanto live. Prova disso é um deles, Rodrigo Seiji, acaba de ser contratado como jogador profissional do Full Tilt.

Vamos ao bate-papo!

Olá, moçada! Primeiramente, parabéns pela iniciativa. Tenho certeza de que vocês terão resultados ainda melhores. Contem aos amigos leitores da CardPlayer Brasil como foi o início da caminhada de cada um no poker?
Começamos juntos na faculdade, e quando jogamos o primeiro torneio em 2007, o Seiji fez mesa final. Depois disso, conhecemos o poker online e engatamos definitivamente. Com o passar do tempo, percebemos que poderíamos ter resultados consistentes desde que estudássemos mais o jogo.

Sabemos que vocês estudaram e ainda estudam bastante sobre o jogo. Quais livros, artigos ou fóruns vocês destacam e recomendam?
Não poderíamos deixar de lembrar do Clube do Poker e do Roberto Riccio, que foram os primeiros a disponibilizar informações e artigos para os iniciantes. Atualmente, os artigos e fóruns mais interessantes estão no twoplustwo.com e no maisev.com. Recomendamos a todos que puderem, procurar um “coach”. Com certeza terão melhoria nos seus resultados.

Sobre o “Quartel-General”, como surgiu essa idéia?
Na primeira vez que conversamos sobre o assunto, estavam juntos o Alexandre Gomes e o Luiz Filipe. Como você sabe, o Alê tomou outros rumos e o Luiz Filipe tem viajado muito, portanto, não pôde participar.
Todos nós tínhamos um sentimento em comum, que era a necessidade de ter a companhia de pessoas que exercessem a mesma atividade, e que pudéssemos trocar experiências sobre o poker. Então essa idéia foi amadurecendo até virar realidade.

Quais benefícios e resultados vocês têm obtido depois que passaram a jogar juntos?
Com essa iniciativa, por ser um lugar exclusivo para essa atividade, conseguimos ter mais tranquilidade para joga. Com isso, conseguimos aumentar o tempo das sessões e me-lhorar nossos resultados. A troca de experiências e informações também tem sido fundamental para conseguirmos alcançar resultados consistentes.

Em cada especialidade, quais características de jogo vocês consideram mais importantes?
Acreditamos que, em qualquer especialidade, o resultado vem com o volume de jogo. Por este motivo é que o poker online é dominado pela geração mais nova, que possui maior faci-lidade no manuseio de computadores e notebooks. Para qualquer que seja a modalidade, o estudo profundo e a agressividade são imprescindíveis.

Hoje vocês são profissionais do poker, vivem disso, certo? E as famílias, como encaram este fato?
Como todos do nosso ramo, no início tivemos um pouco de resistência, mas à medida que foram conhe-cendo melhor a atividade e vendo os resultados aparecer, essa resistência foi acabando. Hoje somos apoiados incondicionalmente.

Quais as vantagens e desvantagens de ser um profissional do poker?
Algumas das vantagens são ter horário e local de trabalho flexíveis, oportunidade de conhecer diversos lugares do mundo, possibilidade de crescimento rápido na profissão, remuneração bem melhor que em outras atividades.

Entre as desvantagens estão o preconceito da sociedade e o stress gerado pela variância.

Quais jogadores do Poker nacional você consideram os me-lhores nas suas diversas especialidades?
Bem, em se tratando de torneios live, Alexandre Gomes. Quando o assunto é cash online, Marcelo Urubu. Já em torneios online, o Caio Pimenta.

E entre os jogadores de Curitiba, algum destaque?
Luis Filipe, Lenadro Amarula, Henrique Yamagutti e Luan Estradiotto são grandes jogadores daqui.

No ramo de negócios ligados ao poker, vocês têm algum projeto ou vão continuar se dedicando exclusivamente ao jogo?
Paulo Santiago já está realizando alguns trabalhos na área de coaching. Pretendemos ter uma atuação maior neste ramo, mas ainda estamos com pouco tempo para desenvolver o projeto.

Gostariam de deixar alguma mensagem ou agradecimentos em especial?
Andrey: agradeço à minha família, em especial minha namorada Thaís, que sempre me apoiou.

Seiji: também agradeço a minha família, pela compreensão, e ao Full Tilt, que está abrindo novos horizontes para minha carreira.

Santiago: agradeço também à minha família pelo incondicional apoio.
Nós não poderíamos deixar de citar nossos companheiros de profissão, que estão sempre dispostos a ajudar, como Luis Filipe, Alexandre Gomes, Leandro Amarula e Henrique Yamagutti.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2018. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×