EDIÇÃO 17 » MISCELÂNEA

Capture a Bandeira: Michael DeMichele


Kristy Arnett

Michael DeMichele é visto como um dos mais talentosos jogadores de cash games do momento. Ele é bem-versado em quase todas as modalidades, e tem apenas 23 anos. Ele consistentemente joga e detona nas mesas mais caras, como mixed de $1.000-$2.000 e no-limit hold´em de $100-$200. Por ter um bankroll adequado para esses jogos, participar do evento H.O.R.S.E. de $50.000 da World Series of Poker 2008 não foi nenhum esforço para ele, que ficou em segundo lugar no torneio, ganhando mais de $1,2 milhões.

Kristy Arnett: Quando você começou a jogar cash games, em que jogos e limites você jogava?
Michael DeMichele: Quando eu tinha 18 anos, fiz um depósito de $50 em um site de poker site e comecei a jogar $1-$2 [no-limit hold’em]. Perdi tudo muito depressa. Eu realmente não sabia o que estava fazendo e, é claro, $50 só valia 25 big bets, então foi uma perda pequena. Alguns amigos meus começaram a ficar loucos por poker, e me puxaram. Meu amigo Jake Abdalla jogava freezeout heads-ups de $1 comigo e me destruía. Meu ego na época não suportava perder, então eu comecei a ler os livros. Eu peguei o Super System juntamente com o Theory of Poker, e alguns amigos me convidaram para jogar no Turning Stone Casino. Eu me sentei em uma mesa de limit hold’em de $1-$3 usando meus óculos escuros [risos] e detonei, ganhando $230, o que era muito dinheiro para mim na época, e nunca mais olhei para trás.

KA: O que lhe ajudou a melhorar e se tornar um vencedor consistente?
MD:
Comecei a conversar sobre poker com todo mundo que parecia entender alguma coisa do jogo que eu não entendia. A maioria das pessoas sempre parecia gostar de conversar comigo, pois eu era completamente aberto e honesto sobre meus pensamentos nas mãos. Em contrapartida, elas ficavam abertas para compartilhar suas opiniões, e isso me permitiu devorar muita informação por meio de minha rede social.

KA: Qual é sua modalidade mais forte?
MD:
Quando comecei a jogar muito na Internet, eu entrava em oito mesas de limit hold’em de $15-$30. Fui um especialista em limit durante muito tempo, e a maioria das discussões de poker que travei eram relacionadas àquela variante. Joguei muito mais mãos de limit hold’em do que em qualquer outra modalidade, e por essa razão eu devo dizer que limit hold’em é meu melhor jogo.

KA: Em que limites você costuma jogar?
MD:
Eu jogo muito $50-$100 de no-limit hold’em e $300-$600 de limit hold’em.

KA: Por que e como você começou a se dedicar aos mixed games?
MD:
Da primeira vez que eu vim a Vegas, um grupo de amigos se juntou para jogar mixed com limites baixos. Naquela época, eu não fazia idéia do que estava fazendo, mas me divertia muito jogando diferentes variantes de poker que não o hold’em. Mais tarde, senti que estava começando a estagnar em minhas habilidades no hold’em, então comecei a ler High-Low Split Poker, de Ray Zee, e o resto dos capítulos do Super System que a maior parte das pessoas simplesmente pula. Eu comecei a jogar de mesa em mesa após algumas horas em casa uma, de uma forma de poker para outra, o que impedia que o fluxo de meu dia ficasse estagnado e me permitia jogar mais horas. O poker vinha evoluindo há décadas. Stud high era popular antes do limit hold’em, que foi popular antes do no-limit, então tentei ficar à frente das tendências. Eu entrei no poker pouco antes de o no-limit dominar o limit, e comecei a ver muitos especialistas dessa variante sofrendo para encontrar jogos bons, e eu não queria que isso acontecesse comigo.

KA: Qual é o erro mais comum que você vê jogadores de cash games inexperientes cometerem?
MD:
A maioria dos jogadores inexperientes parece fazer jogadas com base em seus humores, suas frustrações ou apenas em um simples capricho. Eles geralmente escolhem oportunidades pouco sábias para serem criativos. A criatividade no poker só pode ter como base uma fundamentação racional.

KA: Que habilidades são mais importantes em cash games do que em torneios?
MD:
Existem muito mais variáveis para se considerar em torneios do que em cash games, por causa das diferenças nos estoques dos jogadores. Quando você tem estoques pequenos à sua esquerda, é forçado a ficar mais tight por causa da possibilidade de alguém ir all-in. Também se cria uma nova dinâmica quando você mesmo tem um estoque pequeno. Saber que mãos jogar em várias situações é totalmente relacionado ao número de blinds que você tem em seu estoque. Um bom jogo pré-flop é muito mais difícil e importante em torneios, enquanto em cash games é importante saber como jogar com suas mãos depois do flop, pois jogos com grandes estoques geralmente dificultam a entrada de todo dinheiro antes do turn.

KA: Qual foi o melhor conselho relacionado ao poker que você recebeu?
MD:
Sempre preste muita atenção no que está acontecendo na mesa. Nunca desperdice uma oportunidade de aprender. É melhor perceber suas fraquezas do que fazer de conta que você não tem nenhuma. Eu preferiria ficar confuso sobre qual seria a jogada correta, pois isso oferece uma grande chance de melhoria. Não há nada de errado em ficar com raiva de si pela maneira como jogou uma mão, mas você não pode odiar-se por isso. Ninguém joga perfeitamente, mas pelo menos é possível aprender com os erros. Às vezes as pessoas ficam com raiva de mim por causa de minha demora para tomar uma decisão, e eu sinto muito por isso, mas essa é a única maneira que eu posso viver sem arrependimentos. Mesmo que eu tome a decisão errada, pelo menos sei que ela foi a decisão mais informada que eu poderia tomar na época.

Se você contar suas mãos para os outros com confiança em vez de inquisição, tudo que você vai receber de volta são as histórias de bad beats deles. Para chegar a conclusões melhores, é preciso construir extensos cenários para cada opção que poderia ter sido escolhida. Isso possibilitará que os outros enxerguem os defeitos do seu raciocínio, e como você foi tão gentil de compartilhar com elas esses pensamentos, os verdadeiros estudantes do jogo vão lhe ajudar com prazer, em troca de mais diálogos que provoquem o raciocínio. Se eles não lhe ajudarem, encontre novas pessoas com quem conversar.

KA: Que conselho você daria a um jogador de torneios bem-sucedido que quisesse entrar na arena dos cash games?
MD:
Como o jogo com pequenos estoques é uma característica comum dos torneios, você precisa aprender como proteger adequadamente suas fichas quando está jogando contra estoques maiores. Quando se tem um estoque pequeno, há menos reverse implied odds em uma mão porque você não precisa tomar grandes decisões no turn e no river. Geralmente faz sentido colocar as fichas no pote mais depressa quando seu estoque é pequeno, enquanto, quando se tem um estoque grande, é preciso levar em conta o que vai acontecer se você se deparar com um check-raise e tiver que enfrentar uma grande aposta na street seguinte.

KA: Que características grandes jogadores de cash games têm em comum?
MD:
Eu creio que o poker exercita o lado analítico do seu cérebro de maneiras que a maioria das atividades nesse planeta não estimula. Jogadores de poker passaram tanto tempo de suas vidas analisando as coisas que eu acho que o estímulo mental se torna um vício. Muitos jogadores de poker têm hobbies de nerd, porque fazem com que eles pensem a fundo sobre as coisas. Eu pessoalmente gosto de atividades que me permitam ter tempo ilimitado para raciocinar sobre um problema. Jogos de velocidade nunca foram minha praia.

KA: Que jogadores de cash games você mais respeita, e por quê?
MD:
David Benyamine, Patrik Antonius e Phil Ivey parecem ser os reis da selva esses dias. Eles devem ter uma sede eterna por conhecimento sobre o jogo, e é difícil não se inspirar por esse tipo de mentalidade mesmo que você não seja um jogador de poker.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2018. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×