EDIÇÃO 114 » MISCELÂNEA

Hand for Hand: Martin Jacobson x Brian Roberts

Main Event da World Series of Poker 2014


Júlio Lins

Em um mesa com sete jogadores, o raise doo Roberts é bem padrão, assim como o call de A-T de Jacobson no big blind. Tão deep stack, não há necessidade de fazer um 3-bet para jogar fora de posição ou ainda ter que dar fold para uma possível 4-bet. Isso tornaria a jogada muito ruim.A cada mês, um renomado profissional do poker nacional analisa uma mão entre duas feras do poker mundial. Nesta edição, Júlio Lins, um dos principais instrutores do principal time de poker do Brasil, o 4Bet, analisa um blefe de Brian Roberts contra Martin Jacobson no Main Event da WSOP 2014, que acabou com o Jacobson conquistando o título.


Brian Roberts – 1.150.000 fichas (Q♥10♦)

Martin Jacobson – 2.600.000 fichas (A♠10♣)

Blinds: 12.000/24.000 com ante de 4.000


PRÉ-FLOP

Do meio da mesa, Brian Roberts aumenta para 60.000. No small blind (SB), Martin Jacobson dá call.


Júlio Lins: 

Flop: A♥ J♦ 7♦ (Pote: 160.000)


Jacobson pede mesa. Roberts aposta 95.000. Jacobson dá call.

Júlio Lins: Roberts faz uma continuation-bet de 60% do pote, o que é uma aposta bem alta, mas caso ele queira apostar no turn e em alguns rivers, a jogada se torna boa. Nesse caso, precisando de um Rei para completar sua sequência e sabendo que dificilmente Jacobson tem uma mão como A-K, J-J ou A-A, é uma jogada que faz bastante sentido.


Turn: 5♠ (Pote: 350.000)

Jacobson pede mesa. Roberts aposta 305.000. Jacobson paga.

Júlio Lins: O turn não muda a textura do bordo. É uma carta que não completa nada. Novamente, Roberts faz uma aposta bem alta, 87% do pote. Para mim, ele escolheu um bom valor, que na teoria faria Jacobson largar sua mão médias, como J-Q, K-J, J-10, J-9, além de possíveis draws para flush e, algumas vezes, Ases com um kicker fraco. 


River: 7♠ (Pote: 960.000)

Jacobson pede mesa novamente. Roberts vai all-in de 960.000.

Júlio Lins: O river é uma péssima carta para blefar. Agora, todos os A-X fracos que chegaram no river têm dois pares com kicker de J. Mesmo sabendo disso, Roberts decide continuar com o blefe e vai all-in.

Aqui, entra um dos tantos aspectos importantes do poker, o metagame. Roberts está “dizendo” ao Jacobson: “Eu sei que você tem um Ás, e esse river é péssimo para se blefar, mas ainda assim estou indo all-in, então...”

Jacobson sabe que sua mão se tornou apenas um bluff catcher. Roberts colocou seu torneio em risco em uma situação que claramente ele tem uma mão forte, levando em consideração o quão ruim se torna um blefe nesse river. Pensando nisso...

Jacobson larga sua mão, e Roberts puxa um pote gigante.


O cearense Júlio Lins está no 4Bet há seis anos. Ele é instrutor do time principal e já formou alguns dos principais nomes do time. Sob o nick “powerpokerBR”, ele já ganhou mais de US$ 1,5 milhão na internet.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×