EDIÇÃO 109 » COLUNA INTERNACIONAL

Quando o mar não está para peixe


Jonathan Little

Há pouco tempo, joguei a Bellagio Cup de US$ 10.000, evento que acontece perto do fim da World Series of Poker. Geralmente, o field é bem fraco, já que muitos profissionais ainda estão no Main Event da WSOP ou tão frustrados que acabam não jogando esse torneio. A Bellagio Cup é como se fosse um “high roller last chance”.

 

Bom, o dia não começou bem para mim. Depois de ir das 40.000 fichas iniciais para 60.000, ganhando vários potes pequenos, eu perdi muitas fichas com A-A versus J-J, em um pote com 4-bet e que meu oponente trincou no river. Isso me deixou com 30.000 fichas.

 

Com os blinds 200-400 e antes de 50, a ação chegou em fold até mim, no button. Com K10, eu aumentei para 1.000. O big blind, um jogador aparentemente sólido com o stack inicial, reaumentou para 3.400. Não achei o tamanho da 3-bet dele fora do normal, uma vez que a maioria dos jogadores vêm fazendo reraises de até 3,5 vezes quando estão fora de posição. Eu não estava certo de qual loose seu range de 3-bet era. Ele poderia estar dando raise com A-A ou K-K, mas também com A-X, K-X e suited connectors. A verdade é que eu não tinha uma leitura dele. Mesmo tendo a possibilidade de estar dominado, com um stack de 75 big blinds e em posição, K-10s torna-se uma mão muito forte para simplesmente dar fold. Fazer uma 4-bet tem seus méritos, mas, no geral, vou ficar satisfeito em dar call e ver o flop com uma mão que tem boa equidade.

 

O flop vem K 7 2, me dando top pair com um kicker marginal. Meu oponente aposta 3.600 em um pote de 7.400. Em um bordo como esse, ele irá fazer uma continuation bet com praticamente todo seu range de 3-bet. Talvez, ele dê check com mão feitas, mas que sejam marginais, como K-3 e Q-Q. Meu top pair é bastante forte para dar fold, mas dar raise está fora de cogitação. Ele daria fold com todas as mãos feitas piores que a minha e daria call com mãos que estariam esmagando a minha ou apenas ligeiramente atrás, como um flush draw. Então, eu paguei.

 

O turn foi um K, melhorando minha mão para uma trinca. Ele então aposta 5.600 em um pote de 14.450. É complicado definir um range de second barrel quando você não conhece o oponente. Ele poderia continuar com todo seu range de 3-bet, mas também poderia apostar apenas com trincas e fulls. Acredito que muitos jogadores fariam uma aposta pequena com 10-10, mãos prontas e flush draws. Ele também pode continuar blefando um A-Q, A-J ou A-10, esperando que eu largue todas as mãos piores que trincas. Novamente, dar raise não é uma boa ideia. Ele provavelmente só iria me paga com A-A ou melhor, um range que amassa a equidade da minha mão.

 

O river é uma Q. Meu oponente pede mesa. Nesse ponto da mão, eu acredito que ele decidiu tirar o pé do acelerador com alguma trinca, um par alto de mão, Ás-high ou um flush draw que não bateu. Se eu apostar, acredito que ele irá me colocar em um draw. É difícil saber qual o range de call, mas se eu acertar o tamanho da minha aposta, ele pode me dar call até com Ás-high. Não acho que uma aposta pequena, de 6.000, por exemplo, faça sentido. Isso transpareceria desespero pelo call. Contra bons jogadores, você não quer fazer uma aposta com suas mãos fortes dando a entender que você esteja esperando ser pago. Uma aposta muito grande também não faria sentido, já que eu não quero deixá-lo acanhado para dar um hero call. Então, eu aposto 13.000 em um pote de 24.450.

 

Sem pensar muito, ele deu call e puxou um grande pote com A-K. Percebam que as únicas mãos que me venceria no river eram Q-Q, 7-7, A-K e K-J. Já que eu acredito que meu oponente poderia me pagar com algo como A-10, minha aposta é lucrativa no longo prazo. Mesmo se ele pagar apenas com uma Dama ou algo melhor, ainda temos mais combinações de mãos que eu derroto do que eu perco. Dito isso, fiquei bastante satisfeito com a minha jogada. Vale lembrar que se meu oponente fizesse uma aposta por valor no rive, eu perderia praticamente a mesma coisa. Eu gosto da maneira como ele jogou, dando cheque river. Se eu tivesse algo como J-J ou 8-7, eu daria fold river. Ao pedir mesa, ele permite que meus draws que não bateram tenham a chance de blefar. Ele jogou bem — e o poker fica bem mais complicado quando seus adversários jogam bem.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×