EDIÇÃO 81 » COLUNA NACIONAL

Maior Risco, Maior Valor

Jogando um pote multiway-pot com 3-bet


Felipe Mojave
Como vocês sabem, um dos meus focos no poker é criar oportunidades desde o início do torneio. Obviamente que a estrutura e as fases do torneio devem ser respeitadas, mas encontrar a linha tênue entre essa criatividade e a jogada desnecessária, ainda nos primeiros níveis, é uma verdadeira arte.
Com base nesse argumento, trouxe uma mão interessante que aconteceu no último BSOP, em Foz do Iguaçu, contra um excelente jogador do Acre: Helder Júnior.
 
No segundo nível de blinds, 75-150, abro raise no cutoff (CO), com QT, para 375. Helder, que está à minha esquerda, no button (BTN), paga. Um jogador sólido, do small blind, aplica uma 3-bet para 1.800. Eu dou call, assim como o Helder. O flop vem 6 7 9. Todos dão check. O turn traz um 5, e depois do meu oponente dar check, eu disparo uma aposta de 2.200. Helder dá call, e o outro oponente dá fold. O River traz uma Q. Eu dou check, e o Helder aposta 4.400. Dou call, ele mostra J10 e eu puxo um excelente pote.
 
O raciocínio aqui é simples. Meu oponente, que aplicou a 3-bet fora de posição, tende a desistir com frequência quando pede mesa, já que os pares altos normalmente apostariam nesse flop. Quando o jogador em posição, que é o Helder, resolve também dar check, excluo do range dele os pares, e é por isso que aposto no turn como blefe. Quando ele dá call, o bordo tem dois draws para flush, e ele representa draws e over cards como grande parte do seu range. Dificilmente ele teria um Oito. Quando o river traz uma Dama, minha mão ganha valor de showdown. Eu peço mesa, imaginando que meu oponente daria check no river, inclusive com uma Dama (caso ele tivesse um combo draw com uma Dama), pois aquele bordo era bastante perigoso, e eu represento a sequência e todas as trincas. Especificamente neste caso, em que optei pelo check quando ganhei valor, eu já não represento a sequência, mas as trincas e os draws que não foram completados. Isso dá a chance ao meu oponente, por ter posição, de blefar seus draws que não entraram — o que embasou o meu call.
 


Logo depois do torneio, conversei com o Helder, um cara muito simpático e inteligente, que me deu a versão dele da mão:
 
A mão representa uma das minhas estratégias em early game, em que todos estão deep, o que, como jogador de cash, me permite jogar um bom pós-flop. 
 
Gosto de entrar em posição com mãos que formam potes grandes — pares pequenos ou suited connectors —, mas que são controladas facilmente em potes com muitos jogadores. Sendo assim, quando o Mojave dá raise do CO, fico a vontade em dar call, em posição, com meu J10. O rapaz, que até então vinha se mostrando seguro, mas com um pós-flop fraco, resolve aplicar uma 3-bet. Caso o Mojave fizesse uma 4-bet, eu daria fold. Como ele dá apenas o call, pago com uma mão, que apesar de especulativa, não costuma estar dominada. Pesa também o fato de eu ter posição sobre o melhor jogador da mesa. 
 
Helder Júnior (à esquerda) foi vice-campeão do BSOP Million 2012

O flop me deixa com duas overs cards, um draw para sequência e backdoor flush draw. Depois de todos pedirem mesa, opto pelo também check. O turn é um 5, que traz meu flush draw e dá força para a minha mão. Aí, talvez, eu tenha cometido o erro de ser passivo e dar apenas call na aposta do Mojave. Acredito que minha mão é forte, mas não o suficiente para inflar o pote para o river, e mesmo que eu não acertasse, poderia blefar o na última street. 
 
O river não completa o meu flush nem a minha sequência, mas percebo uma boa situação para blefar após o Mojave pedir mesa. Penso em qual aposta de valor eu faria caso segurasse um Oito — e posso ter errado também neste detalhe. Acredito que algo em torno de 45% do pote seria ideal para ser pago por dois pares, top pair ou over pair. Aí entra a questão do metagame: acreditar que o Mojave poderia pensar nisso e dar fold, mas acho que a minha ação foi meio óbvia demais.
 
É isso aí, galera. Quero agradecer ao Helder por ter cedido seus comentários sobre mão. Espero que vocês tenham aprendido bastante com essa discussão.



NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×