EDIÇÃO 43 » ESTRATÉGIAS E ANÁLISES

Estágios de um TAG – Parte II

Agressividade aumentada


Ed Miller

Como vimos na edição passada, a maioria dos jogadores passa por uma série de estágios em no-limit hold’em. Basicamente, eles passam de iniciantes a bons jogadores tight-aggressive (TAG). Essa série descreve um modelo de evolução que eu chamo de “Estágios de um TAG”. Vejamos mais alguns deles.

Estágio 6: Eu consigo semiblefar com draws decentes pós-flop sem risco adicional.

Pode-se dizer que os “nits” – aqueles jogadores excessivamente tight – ainda não atingiram o Estágio 6. Eles desperdiçam oportunidades reais, deixando de fazer ou pagar apostas fortes caso não tenham uma mão garantida. Nesse estágio, contudo, os jogadores começam a perceber que podem se tornar mais perigosos se estiverem dispostos a fazer grandes apostas às vezes com mãos não tão boas.

As mãos mais fáceis com as quais se pode fazer isso são draws fortes. Por exemplo, digamos que haja um pote de $50 pré-flop. O raiser pré-flop aposta $40 em um flop com 10 8 7. Você segura K Q e tem $200 restantes. Um raise all-in aqui é uma jogada relativamente segura. Como K Q quase sempre tem um número de outs caso você seja pago, sua margem de lucro é grande. Em outras palavras, dificilmente você vai estar em apuros se tomar call.

Jogadores agressivos usam oportunidades como essa para pressionar seus oponentes. Isso torna as mãos deles mais difíceis de se ler e, no longo prazo, traz mais dinheiro.

Estágio 7: Continuation-bets são muito mais poderosas se eu às vezes der seguimento com uma aposta no turn.

A continuation-bet é uma aposta no flop depois de um raise pré-flop. De maneira correta, muitos novatos fazem c-bets quando dão raise pré-flop e não acertam o flop. Mas se forem pagos, desistem da mão quase automaticamente. Nesse estágio, porém, eles aprendem que há várias oportunidades para roubar potes mesmo depois de terem tomado call no flop. Muitas vezes, um call no flop indica uma mão especulativa como um draw ou um par fraco. Nesses casos, uma aposta no turn dando continuidade geralmente ganha o pote.

Aprender quando disparar uma aposta no turn requer raciocínio sobre a gama de mãos pré-flop do oponente e sobre como tais mãos interagem com o bordo. Portanto, esse é o primeiro estágio em que os jogadores começam a se confiar na habilidade de leitura de mãos para tomar decisões melhores.

Estágio 8: Preciso dar mais reraises pré-flop pelo valor.

Iniciantes normalmente dão raise pré-flop apenas com suas mãos mais fortes – pares altos e talvez A-K e A-Q. Isso é especialmente verdadeiro para quem aprendeu o jogo o suficiente para agir como nit. Jogadores que chegam ao Estágio 8 conseguem perceber que seus oponentes entram de limp com mãos muito mais fracas do que com as mãos de raise tradicionais. Quando os oponentes estão entrando de limp com mãos como 8-7 ou A-3 de naipes diferentes, mãos mais fortes como Q-J suited e 8-8 tornam-se boas para raises pré-flop ocasionais.

Estágio 9: Agora consigo jogar mais algumas mãos de todas as posições, pois blefar às vezes transforma mãos ruins em lucrativas.

Nits aprendem a jogar tight, um estilo que se adéqua ao jogo pós-flop deles. Se você não está disposto a blefar com muita frequência, é difícil transformar mãos especulativas em lucrativas. Elas geralmente não acertam as mãos excelentes que os nits esperam. Fazer mãos especulativas se tornarem lucrativas requer uma boa noção de blefe. Se você não completar uma ótima mão, ainda assim tem chances de ganhar o pote roubando os blinds, o famoso “steal”.

Nos Estágios 6 e 7, os jogadores adicionam dois blefes importantes aos seus arsenais: semiblefes com draws e apostas no turn contra jogadores que deram call no flop e provavelmente estão fracos. Quando eles aprendem a usar esses blefes de modo eficiente, conseguem abrir um pouco seus jogos pré-flop. Como conseguem gerar mais valor com mãos fracas, eles podem jogar pré-flop com mãos especulativas um pouco mais difíceis de acertar o flop. Obviamente, alguns jogadores levam esse conceito ao extremo e começam a atacar todos os potes feito loucos. Não faça isso.

Estágio 10: Preciso ajustar meu jogo pré-flop aos meus oponentes. Isso significa não dar tantos folds diante de reraises frequentes e dar mais calls do button contra quem abre raise light.

Esse estágio é particularmente crucial para jogadores online. O no-limit hold’em online é superagressivo, e os jogadores buscam roubar o máximo de blinds possível e pressionar muito com reraises pré-flop. A reação do nit diante dessa agressividade é dar fold com a maioria das mãos e esperar por mãos sólidas, mas essa estratégia é cautelosa demais.

No Estágio 10, jogadores constroem gamas de mãos para seus oponentes. Por exemplo, se alguém dá muitos steals do button, um jogador nesse estágio saberá que mãos ele provavelmente está enfrentando. Assim, pode defender seu blind com um conjunto de mãos capaz de enfrentar a gama do oponente de maneira vantajosa.

O mesmo princípio se aplica diante de reraises pré-flop. Antigamente, um reraise pré-flop significava uma mão forte. Mas no poker online superagressivo de hoje em dia, os jogadores dão reraise light com frequência enquanto não forem enfrentados ou contra-atacados. É fundamental aprender a se defender bem desse ataque.

Nesse estágio, os jogadores podem começar a competir nos complicados micro-limits. Eles adicionaram o elemento agressividade aos seus jogos, ganhando potes extras e mantendo os oponentes desorientados. Também ficaram mais loose pré-flop, pois sabem que podem transformar uma mão fraca em vencedora com uma aposta inteligente. Finalmente, eles começaram a se ajustar a oponentes agressivos que tentam roubar demais.

Na próxima edição, vamos falar sobre outros ajustes pré-flop que os jogadores fazem à medida que se tornam mais sofisticados.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×