EDIÇÃO 37 » COMENTÁRIOS E PERSONALIDADES

O Colapso

Um processo de duas fases


John Vorhaus

Qualquer um que tenha experiência no poker online sabe que é mais fácil perder dinheiro rápido do que ganhar dinheiro rápido. Para poder ganhar, você precisa “grindar” hora após hora, tomando decisões pensadas, escapando de armadilhas, evitando aventuras irresponsáveis e não tendo azar nos momentos decisivos. O jogo online bem sucedido, portanto, é uma questão de rigor e foco ao longo do caminho. Um único lapso de concentração, disciplina ou força de vontade pode lhe conduzir a um colapso de proporções catastróficas. Em questão de minutos, você pode desconstruir o árduo trabalho (e o lucro) de semanas e semanas de um excelente jogo online. Vamos examinar o colapso, analisar seus componentes e ver se há uma maneira de parar esse trem desgovernado antes da colisão — ou pelo menos antes que as coisas piorem mais.

Você se encontra no meio de sua produtiva e lucrativa sessão online. Vem jogando bem há horas, fazendo jogadas fortes e dando bons folds contra quem quer que lhe enfrente. Você está jogando bem contra oponentes que consegue derrotar em um nível de buy-in apropriado ao seu bankroll. Você está a topo vapor. Talvez tenha até mesmo consciência de quão bem está jogando. Está autoconfiante sem ser arrogante; suas habilidades estão em perfeito funcionamento.

Agora acontece uma mão que você não tinha previsto. Você recebe cartas fortes, flopa um monstro, constrói um pote enorme, coloca todo seu dinheiro com uma das melhores mãos — e perde. Em um instante, seu buy-in original e todos os seus lucros desaparecem em meio à poeira. Você não fez nada de errado. Você simplesmente foi vítima de uma bad beat. Não importa: você sabe e eu sei que isso acontece todo dia.



O momento crítico, contudo, está agora em jogo. Tendo experimentado um revés caro, você se propõe a executar o que considera o curso de ação adequado: dar a volta por cima depressa. O que se deve entender é que, nesse momento, você não está mais sendo motivado pelo lucro, e não está mais sendo motivado pelo desejo de jogar um poker perfeito. Em vez disso, está sendo motivado pela forte e imediata necessidade de aliviar sua dor física. Algo ruim aconteceu, e agora você está se sentindo mal. Se puder se recuperar depressa, você conclui, poderá apagar a sensação ruim associada à sua derrota, e tudo vai ficar bem no mundo. Em outras palavras, você quer ficar bem.

Você vai encarar esse estado mental, é claro, como um tipo comum de tilt. Todo mundo que joga poker já passou por isso. O problema é que o jogo online amplia o efeito negativo do tilt e piora – bastante – essa situação ruim, muito mais do que numa cardroom de verdade. No mundo real, algum tempo vai ter se passado antes de você voltar ao jogo. Ao ser eliminado de uma mesa, é possível migrar para outra mesa ou até mesmo para outro recinto. Mesmo que permaneça na mesma mesa e faça outro rebuy imediatamente, o tempo que se gasta para voltar à ação é medido em minutos — minutos preciosos que você pode utilizar para se acalmar e reencontrar seu equilíbrio. Online, essa mesma transação pode levar meros segundos. Aperte o botão comprar fichas e pronto. Mesmo que você resolva mudar de mesa ou de site, em pouquíssimo tempo você encontrará outro jogo — tempo certamente insuficiente para se purgar da necessidade de aliviar sua dor física.

Na pior manifestação possível disso, você não apenas escolhe outro jogo, como também escolhe um de buy-in muito maior do que o que estava há pouco jogando. A (i)lógica disso é doentia e sedutora. Digamos que você tenha começado jogando no-limit hold’em de $1-$2. Fez um buy-in de $100, conseguiu aumentá-lo para $500, depois perdeu tudo em uma mão que foi um pesadelo. Agora, você corre até o lobby, em busca de um jogo no qual possa se sentir bem. Você vê uma mesa $2-$4 (ou $3-$6 ou $5-$10), e acha que, se jogar bem mais alto, pode ganhar bem mais, muito mais rápido.

O problema é que você ainda está tiltado! Você não vai jogar corretamente na mesa mais cara. Você vai correr, empurrar, pressionar e fazer tudo que está ao seu alcance, mais uma vez, para apagar a sensação ruim que lhe atormente. Quando menos notar, terá transformado a perda de um buy-in na perda de três, cinco, dez... quem sabe? Na pior das hipóteses, terá danificado seu bankroll, então não terá apenas perdido muito dinheiro, mas também a habilidade de recuperá-lo nos seus limites habituais. Agora, você vai precisar descer para níveis mais baixos e grindar com um jogo paciente durante semanas ou meses, apenas para voltar aonde estava antes do colapso.



Isso pode ser evitado? É claro que sim. O primeiro passo é reconhecer que o tilt está acontecendo. Reconheça quando sua motivação tiver deixado de ser jogar poker perfeitamente e passou a ser aliviar a dor física. Seja aberto e honesto consigo, e simplesmente diga: “Minha meta mudou. O que eu quero agora não é jogar bem, é ficar bem, e estou correndo risco”. A próxima parte é a mais difícil: saia. Desista do jogo. Isso é difícil, pois requer que você leve consigo uma sensação amarga de perda quando for embora. Mas é muito mais fácil lidar com uma perda pequena do que com uma grande, e são as perdas pequenas que têm o potencial de se transformar em uma grande.

O colapso, portanto, é um processo de duas fases. Primeiro, uma coisa ruim acontece. Segundo, nós tornamos a situação pior. Embora nem sempre possamos evitar a bad beat inicial, podemos sempre evitar tornar a situação pior. Você caiu num pequeno buraco. Pare de cavar antes que ele se torne grande. Se fizer isso corretamente — se você evitar tornar perdas comuns em destruidores catastróficos de bankroll — conseguirá jogar online de maneira lucrativa durante um longo, longo período de tempo.

John Vorhaus é escritor profissional e autor de livros de poker. Ele pode ser encontrado no ciberespaço no endereço radarenterprizes.com.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×