EDIÇÃO 117 » COLUNA INTERNACIONAL

Achei Top pair contra vários oponentes. E agora?


Jonathan Little

Há pouco tempo, um dos meus alunos veio até mim com uma mão que achei bem interessante. O jogo é no-limit hold’em $1-$2, uma mesa com nove jogadores. Com um stack de $600, o Hero aumenta para $12.

Há situações em que devemos usar um aumento maior do que o padrão, mas eu não faço isso a não ser que esteja convencido que meus oponentes vão pagar com várias mãos lixo. É um desastre se eles pagarem um raise de $7 com mãos que você domina, como A-9 e J-Q, mas largarem as mesmas mãos quando você faz $12. Por essa razão, meus aumentos pré-flop são do tamanho do pote. Claro que se durante a sessão eu perceber que meus oponentes estão me pagando com mãos bem marginais, eu pensarei em aumentar o tamanho das minhas apostas. Então, esse aumento de $12 pode ser um erro terrível ou grande jogada explorativa. 

Apenas para ser claro, quando fazemos $12, o objetivo não é fazer seus adversários largarem mãos piores que a sua. Você faz dinheiro no poker quando seus oponentes cometem erros. Se eles dão fold pré-flop corretamente, eles estão jogando bem, não cometendo erros.

Voltando a mão, um jogador tight pagou os $12 do meio da mesa, assim como o hijack (HJ), o cutoff (CO) e o button (BTN). O big blind (BB), um jogador maníaco, com $115 para trás, também pagou.

Agora, ficou claro que o raise de $12 é bom, uma vez que ele foi pago por cinco jogadores. Algumas pessoas, vão se sentir mal, já que A-Qs perderá com frequência. Na verdade, essa situação é ótima. Mesmo perdendo várias vezes, quando você ganha o pote, isso torna sua mão muito lucrativa aqui.

O flop vem A♠ K♦ 3♠. O BB pede mesa, assim como o Hero.

Não gosto desse check. Esse é um flop em que o Hero tem a melhor mão na maioria das vezes e que também é um pouco coordenado, fazendo com que a continuation bet (c-bet) seja paga por muitas mãos piores. Quando pede mesa, o Hero permite que todas peçam mesa e vejam uma carta grátis no turn, ou que alguém aposte e assuma o controle da ação com um range desconhecido. Eu teria apostado $40 no pote de $73.

O HJ apostou $15. O CO deu fold e o BTN pagou. O maníaco no BB foi all-in de $103. O Hero pagou.

Essa é situação complicada porque o Hero não tem nenhuma pista se o HJ apostou tão pequeno por ele querer ação ou por ter uma mão que ele não esteja disposto a investir muito dinheiro. Há também a possibilidade de o BB ter uma mão como A-3, K-3 ou alguns draws decentes, como 10♠J♠, Q♠J♠ ou K♠10♠, mesmo que seu range seja bem amplo. Levando isso em consideração, acho que o Hero deveria dar fold sem pesar, mas dar call ou raise (dependendo dos outros stacks) não são as piores opções. Dito isso, eu teria dado fold.

Para a nossa surpresa, o jogador tight, com um stack de $348, pagou. O HJ e o BTN deram fold.

O turn foi um 10♠, e o Hero pediu mesa.

Quando uma carta de espadas aparece no turn, o check é a jogada óbvia. Se ele apostar, quase sempre ele só será pago quando estiver derrotado e, às vezes, por uma mão forte com flush draw, como A♣ J♠.

O jogador tight foi all-in e o Hero deu fold. Um fold bem fácil, já que ele nãoo está ganhando de nada.

Não sabemos o que BB possuía. Ele não mostrou. O jogador que presumíamos ser tight mostrou orgulhosamente A♥ 10♣ e levou o pote. Claramente, o Hero se enganou quanto a ele. Um jogador tight jamais pagaria um raise de $12 com A-10o e, muito menos, pagaria uma aposta tão grande no flop com uma mão tão ruim. É importante que o Hero não se apegue tanto a perfis até que várias mãos sejam jogadas.

Apesar de essa parecer uma mão complicada, tudo teria sido mais simples se o Hero tivesse feito um c-bet. Provavelmente, ele seria pago pelo jogador “tight”, talvez pelo HJ e pelo BTN, e então ele poderia ir all-in depois do check-raise do maníaco. Como jogado, o Hero deu pote odds incríveis para os vilões. Provavelmente, ele teria ganhado a mão se tivesse jogado como eu sugeri e ainda ficaria em uma situação de heads-up contra um range bem fraco.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×