EDIÇÃO 9 » COLUNA INTERNACIONAL

Poker After Dark

Elezra versus Harman


Phil Hellmuth

Recentemente, eu assisti a uma reprise do Poker After Dark de 2007, com Barry Greenstein, Eli Elezra, Jennifer Harman, Phil Ivey, Allen Cunningham e David Benyamine. Em geral, os jogadores fazem o buy-in de $20.000, com um primeiro prêmio de $120.000; mas, nesse caso, o buy-in era de $60.000, com um prêmio final pelo primeiro lugar de $360.000. Eu adoro assistir ao Poker After Dark, pois me lembra os velhos tempos em que eu costumava enfrentar principalmente grandes jogadores — os mesmos que jogam com assiduidade no Poker After Dark agora. Hoje em dia, eu não estou tão presente no circuito do poker — até que comecem os eventos do World Series of Poker — e eu sinto falta dos caras e das garotas. Eu sinto falta das provocações astutas, das mudanças de humor extremas (OK, isso só eu mesmo!), das conversas inteligentes, das apostas paralelas, do poker de grandes apostas e simplesmente da sensação de competir contra os melhores. O Poker After Dark é transmitido seis noites por semana na NBC às 2h da madrugada.

Com os blinds de $300-$600, Elezra abriu com raise de $1.500 com 5-2 no button. Cunningham desistiu do small blind e Harman pagou do big blind com A-4. O flop veio K-5-2, Harman pediu mesa e Elezra apostou $1.500 no pote de $3.300 com seus dois pares. Harman estudou por um momento e pagou com sua queda para gaveta. O turn foi um ás, Harman pediu mesa, Elezra apostou $5.000 (nos $6.300) e, depois de uma longa reflexão, Harman pagou. À medida que eu assistia à ação, notei que Elezra mantinha sua cabeça baixa, e então jogava os $5.000 logo depois que Harman pedia mesa. A última carta foi um 8, Harman pediu mesa e Elezra apostou $5.000 no pote de $16.300. Do meu sofá, eu notei que Elezra estava em absoluto silêncio e olhava baixo em direção à mesa durante a maior parte do tempo. Harman demorou tanto para falar que o narrador (Ali Nejad) disse, “Jennifer está imersa em seus pensamentos: ela tem o top pair, mas sem kicker.” De fato, Harman tomou muito tempo, e eu acho que isso se deu porque ela tinha uma boa leitura de Elezra, com quem já tinha batalhado durante muitos anos nos jogos de high-stakes do Bellagio. Dezenas de vezes, eu — e o resto do mundo — já vi Harman fazer excelentes leituras contra Elezra. Enfim, ela pagou, e Elezra disse: “Dois pares”.

Harman então falou: “Por que você fez isso? Eu poderia facilmente ter desistido dessa mão”.

Então, Elezra disse: “Bem, eu apostei pelo valor no river”.

Harman instantaneamente replicou: “É, eu vi”, e todo mundo na mesa concordou.

Então, Greenstein disse: “Por que você apostou antes do flop?”

Elezra falou: “Pelo valor também; eu planejava fazer uma bola de neve”.

Analisemos mais de perto essa mão. Primeiramente, eu gostaria de ver Elezra subir para mais de $1.500 antes do flop. Eu acho que gostaria de vê-lo desistindo da mão 5-2 antes do flop, mas foi um aumento do button, então tudo bem. Mas, se você decidir jogar essa mão daquela posição, tente ganhar o pote antes do flop, colocando qualquer valor entre $1.800 e $2.200, pois é muito cômodo para qualquer um pagar $900 a mais, e não é interessante deixar abrir o flop com essa mão, contra quase quaisquer duas cartas! Eu gostei do call pré-flop de Harman com A-4.

No flop, concordei com a aposta de $1.500 de Elezra no pote de $3.300. Com muita freqüência, apostamos muito dinheiro quando conseguimos uma mão forte, o que faz com que nossos oponentes saiam do pote e percamos a chance de ganhar mais value com nossa mão forte. Nesse caso, $1.500 é como uma isca em um anzol. O pagamento de Harman para essa aposta foi natural e fácil de fazer, pois ela tinha um straight draw e um ace draw — e, o mais importante, um ás seria favorito para ganhar a mão.

No turn, eu gostei da aposta de $5.000 de Elezra no pote de $6.300. Em um bordo com K-5-2-A, por que dar a alguém uma carta barata que lhe derrote? O call de Harman foi natural, mas, enquanto eu assistia ao vídeo, pensei que ela tivesse achado que Elezra estivesse com algum tipo de mão razoavelmente forte. Mesmo assim, razoavelmente forte poderia significar um par de reis, como K-J, K-10 ou algo similar, que ela poderia derrubar com seus ases.

No river, adorei a aposta de Elezra de $5.000 no pote de $16.300. Ele tornou muito fácil para ela pagar ao fazer uma aposta relativamente pequena. Na verdade, Harman pagou $5.000 pela chance de levar $21.300, o que significa que o pote lhe dava odds de mais de 4-1. Portanto, ela tinha de ter mais de 80% de chance de certeza de que estava derrotada para poder desistir. Então, superficialmente, tratava-se de um call fácil. Mas eu ainda acho que Harman estava convencida de que Elezra estava forte. A longa hesitação e o comportamento geral dela me diziam que ela tinha lido Elezra como tendo algo muito bom. Harman fez bem ao dizer que poderia ter facilmente desistido daquela mão? Bem, na verdade, no caso dela, sim. Mas para o resto do mundo, tratava-se de um fácil e automático call.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×