EDIÇÃO 89 » COLUNA INTERNACIONAL

Desistir é para os fracos

Cinco situações em que você deve reconsiderar o fold


Ed Miller
Muito do meu lucro em jogos de no-limit hold’em ao vivo vem de quando as pessoas dão fold quando não deveriam — claro que aquelas mãos em que você acerta uma trinca e o oponente coloca todo seu dinheiro no pote já sem chances de vencer também entra bastante na conta. Mas, certamente, para ser lucrativo é preciso bater até que o adversário desista.

Se você é como a maioria dos meus oponentes, você desiste demais em algumas situações específicas. Aqui vão cinco dessas situações que surgem com frequência.

Situação 1: Um Ás-high e mãos com cartas altas (overcards) em bordos secos e baixos.

Você tem A-J ou K-Q e o flop vem 6 6 2. Quando o bordo vem desse tipo, são poucas as mãos que o acertaram. Isso significa que mãos não pareadas com cartas altas ainda estão entre as melhores mãos possíveis. Por exemplo, vamos dizer que o range pré-flop de um jogador qualquer seja de, aproximadamente, 20% das melhores mãos (55+, A4s+, K8s+, Q9s+, J9s+, T9s, A9o+, KTo+, QTo+, JTo). Em um flop 6-6-2, esse jogador terá um par ou melhor (um Seis, um Dois ou um par de mão) apenas 28% das vezes. Isso significa que A-J é ainda muito melhor do que o range de mãos que ele segura (quase 60% de equidade).

O A-J não apenas tem muito valor de showdown em bordos como esses, mas mesmo contra as mãos que ele supostamente está atrás, como pares de Cinco ou de Noves, ele terá seis outs para vencer. Além disso, o jogador com um par pequeno sempre terá que se preocupar com as overcards que aparecerem. Então, se uma carta como uma Dama ou Rei aparecer, o jogador com A-J pode, com frequência, transformar sua mão de valor em blefe.

Quando o bordo vier seco e baixo, não seja apressado em dar fold, especialmente se segurar uma mão com cartas altas. Você sempre pode dar call no flop e, às vezes, até no turn.



Situação 2: Bordos com cartas do mesmo naipe. 

Quando flop vem com todas as cartas do mesmo naipe, muitos jogadores já desligam automaticamente a mão, caso não segurem um flush ou flush draw forte. Mas isso é superestimar a chance de o outro jogador ter acertado um flush.

Usando o mesmo range pré-flop da situação anterior, em um flop K 6 3, o adversário terá acertado o flush no flop cerca de 5% das vezes, quando isso acontecer, ele terá o nuts apenas 6% das vezes. Já a chance de ele ter uma carta de ouros na mão é de 37%. Isso significa que 63% das vezes, um jogador, com um range padrão, não terá um flush nem um flush draw em um flop com todas as cartas do mesmo naipe. Algumas dessas mãos serão top pair, mas você geralmente conseguirá fazer alguns jogadores desistirem do top pair, em flops como esse, caso você continue apostando.

“Mas Ed”, você diz. “Meus oponentes não jogam 20% das mãos. Eles entram com quaisquer duas cartas do mesmo naipe. Esses flops são exatamente o que eles estão procurando”.
Não tão rápido. Se eu ajustar o range deles para 60%, isso inclui quaisquer duas cartas do mesmo naipe (e também um número de questionável de mãos offsuited também), a porcentagem de flushes aumenta de 5% para 6,25%. O número de draws também não muda muito.

O ponto é: quando o flop vem com três cartas do mesmo naipe, qualquer jogador é favorito para não ter um flush ou um draw para flush. Se você está jogando contra um ou dois jogadores, essa é uma boa oportunidade para representar o flush e apostar até que todos desistam.

Situação 3: Uma overcard aparece no turn.

Jogadores que acertam um par desistem com frequência quando uma overcard aparece no turn. Vamos dizer que eu abri raise. Você paga com J-10 do mesmo naipe. O flop vem 10-7-5. Você dá check-call na minha aposta. O turn é um Rei. Você pede mesa, e eu aposto.

Muitos jogadores parecem pensar assim: “Como ele deu raise, ele provavelmente tem um par ou cartas altas como K-Q e A-K”. Quando o Rei aparece e eu aposto, eles pensam que o J-10 já está derrotado. O problema é que existem muitas mãos que eu posso estar segurando, além de pares altos e overcards. Eu posso ter A5s ou 76s, assim como 6-6 ou até mãos que não parearam, como A-Q e A-J.

Vários tendem a dar mais um call com o top pair caso possuam um bom kicker, como A-10, mas os jogadores têm uma tendência tão grande a desistir quando o turn traz uma carta alta que eu quase sempre darei o segundo tiro, mesmo com as minhas mãos que não derrotam o top pair feito no flop.



Situação 4: Draws no turn.

Muitos jogadores regulares aprenderam que é errado “perseguir” draws no turn. Com apenas mais uma carta para vir, draws para flush e sequência serão azarões em 4-para-1 quase sempre. Em no-limit hold’em, você sempre encarará aposta de pelo menos metade do pote, o que não lhe oferecerá odds melhores do que 3-para-1. Receber 3-para-1 quando se precisa de 4-para-1 apenas para ter um EV = 0, não é um bom negócio.

No entanto, isso não quer dizer que você simplesmente tenha que desistir dos seus draws. Há duas razões. Primeiro, às vezes você ganhará um dinheiro extra quando acertar seu draw. Esse conceito de implied odds não é muito entendido. Exceto em um típico $2-$5, muitos jogadores não ficarão no seu caminho quando você chegar até o river. Então, geralmente, implied odds não poderá ser sua justificativa para o call no turn.

Mas quando as pessoas não oferecem tanta resistência na última street, você tem aí um bom potencial para blefe. E é por isso que não é certo desistir dos seus draws no turn. Caso você erre, ainda poderá vencer a mão blefando. Geralmente, jogadores regulares não têm muitos draws em seu range no river e nem blefam o suficiente. Eles seriam mais perigosos se se corrigissem isso.

Situação 5: Contra apostas pequenas.

Jogadores regulares de limites baixos dão muito crédito para apostas pequenas. No flop isso não é tão verdade, mas no turn e no river é muito fácil conseguir um fold apostando um terço ou três quartos do pote.

Em muitas mãos, no river, eu posso apostar $150 em um pote de $500 ou mais e ver meu adversário desistindo, e isso muitas vezes está errado.

Conclusão

É possível que muitos desses folds não sejam errados em determinadas situações e nos jogos em que você joga, porque nem sempre seus oponentes estarão blefando. Quando eles apostam, é justo você pensar que seu A-J não é bom o bastante no bordo 7-3-2, ou que seu Q-9 esteja perdendo com 9-5-4-J na mesa. Você também pode acreditar que o vilão tenha algo próximo do nuts quando ele aposta pouco no river. Mas se você está sempre dando fold nessa situação, é provável que seus adversários regulares também estejam. Isso cria a situação perfeita para blefes. Da próxima vez que jogar, preste atenção nisso e seja o cara que vai se aproveitar disso para fazer um blefe extra.


NESTA EDIÇÃO


EDIÇÃO 89

Ano 8 - dezembro, 2014

ASSINE JÁ! ÍNDICE COMPLETO
Aumente seu stack agora! Stack fichas
Curso Poker Fora da Caixa em Belo Horizonte - Massari Poker School
Mesas de Poker

NEWSLETTER

Receba nossas novidades em seu e-mail.

Fichas Nupano - Compra e venda de fichas online



30% de desconto em todos os livros de poker. Até 3x sem juros. Você ainda ganha baralho Copag.

A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×