EDIÇÃO 82 » MISCELÂNEA

Final Table: Ronnie Bardah

Tradução e adaptação: Marcelo Souza


Craig Tapscott
Grandes campeões analisam mãos decisivas que lhes levaram a vitórias nos principais torneios do mundo, seja na internet ou ao vivo. 
 


RONNIE BARDAH LEVA SEU PRIMEIRO BRACELETE DA WSOP
Ronnie Bardah começou a jogar poker ainda jovem — seu pai lhe ensinou a jogar five card draw (poker fechado) quando tinha apenas cinco anos. A profissionalização veio em 2003 e o primeiro grande resultado em 2010: a 24ª posição no Main Event da World Series of Poker, que lhe rendeu US$ 317.000. Apesar de se considerar um jogador de cash games, o membro do Team Ivey, time capitaneado por Phil Ivey, já ganhou cerca de US$ 1 milhão em torneios ao vivo.


Evento: 2012 WSOP $2,500 limit hold’em six-handed
Jogadores: 302
Buy-in: US$ 2.500
Primeiro Prêmio: US$ 182.088
Colocação: 1º
 
Mão #1
Conceitos-chave: Jogar sua mão de maneira rápida e fazer com que ela pareça fraca; maximizar o valor; quando não fazer slow play; manter a calma ao perder um grande pote.
Do UTG, Maria Ho aumenta para 10.000. Terrence Chan faz tudo 15.000, e Vicent Gironda aplica uma 4-bet para 20.000. 

Craig Tapscott: Uau. Muita ação antes de chegar até você. O que passa na sua cabeça segurando Q-Q nessa situação?

Ronnie Bardah: Eu também disse “uau”. Em primeiro lugar, eu acho que a mão de Maria é bem irrelevante, mas, ao mesmo tempo, não posso ignorá-la, já que ela tem poucas fichas. Terrance sabe disso, então, devido ao stack dela, ele não irá isolá-la a menos que tenha uma mão decente. Por fim, o Vinny. Ele é um jogador bastante sólido e extremamente tight no pré-flop. Então, quando ele faz um 4-bet de 20.000, do small blind, essa é mão com a qual estou mais preocupado. Mas nós estamos 5-handed e eu tenho Q-Q. 

Bardah aplica um 5-bet para 25.000 do big blind. Ho larga a sua mão. Chan e Gironda dão call.

Flop: Q35 (pote: 85.000)

CT: Uau, de novo! Eu aposto que você desejava que um deles tivesse feito um slow play com K-K ou A-A nesse ponto, o que não é muito provável, considerando a ação.

RB: Sim. Antes do flop, eu torcia para que o Vinny não segurasse A-A ou K-K, mas eu acertei a maior trinca e comecei a pensar: “Por favor, Vinny, tenha Ases ou Reis”.
Gironda pede mesa. Bardah aposta 5.000. Chan aumenta para 10.000. Gironda aumenta para 15.000.

Flop: Q 3 5 (pote: 85.000)

RB: Agora eu sei que o Vinny tem Reis ou Ases, então decidi colocar mais dinheiro no pote.

Bardah aumenta para 20.000.

CT: Então você não viu a necessidade de fazer uma armadilha?

RB: Muitas pessoas diriam para esperar o turn e apenas dar call na 3-bet no flop. Mas sendo o “capper” [jogador que faz a última aposta permitida em jogos limit] no pré-flop e devido à dinâmica do torneio naquele momento, eu quis colocar mais dinheiro no pote.

Chan dá fold, e Gironda paga.

CT: O que ele pensa que você tem?

RB: Vinny é um cara muito bom em ler mãos. Nesse ponto, ele já deve saber que eu tenho Q-Q. A única mão que ele pode vencer é K-K, então ele pisa no freio e apenas paga. Eu esperava que ele fizesse um 5-bet e saísse apostando no turn, o que me daria uma big bet extra [neste caso, é uma aposta única cujo valor é duas vezes o big blind]. 

Turn: 9(pote: 135.000)

Gironda pede mesa. Bardah aposta 10.000. Gironda paga.

RB: Eu estou sentado lá e pensando: “Este é o maior pote do torneio e será sensacional avançar para o Dia 3 com esse stack”, mas...

River: A (pote: 155.000)

Gironda aposta 10.000.

RB: Ao jogar as fichas, ele demonstrou toda a alegria do mundo naquele momento. Eu só queria chorar. Era metade do meu stack no pote. Com eu podia foldar um aposta daquela? Qualquer jogador que estivesse na minha situação saberia que ele tinha A-A. O pote estava gigante e talvez, muito talvez, ele segurasse A-Q. Depois de pensar por quase um minuto, paguei.

Gironda mostra AA e leva um pote de 175.000.

RB: Mais tarde, eu descobri que Chad Brown tinha largado A4 (Chan tinha J-J; Maria, 7-7). Apenas um out. 

CT: E o que você faz para continuar jogando o seu melhor depois de uma pancada dessas?

RB: Quando você perde uma mão assim é preciso lembrar-se de o que você está jogando e se recompor. No passado, eu passei por situações parecidas e não havia lidado bem com elas, o que ajudou no meu crescimento. Você tem que se lembrar de quanto tempo e dinheiro você investiu no torneio, e não descontar a sua raiva no seu stack. Eu aprendi a permanecer calmo e paciente, e sempre mantendo o que planejei. E, pelo menos para mim, que havia vendido cotas para o torneio, entrar em tilt é impensável, afinal, não é só o meu dinheiro, tenho que respeitar meus investidores.
 

Mão #2
Conceitos-chave: Atacar bordos secos. Tomar o controle do pote. Análise de range.

CT: Você sabe o bastante, do jogo de Marco Johnson, para que lhe ajudar na batalha heads-up (HU)?

RB: Sim. Marco era o último jogador que eu queria no heads-up. O garoto é um monstro. Ele é vencedor nos principais high-stakes de mixed games do Bellagio.

Johnson aumenta para 60.000 do button.

RB: Eu tenho 53. Muitos diriam para, fora de posição, eu dar fold nessa mão, e muitas vezes eu faria isso, mas em um HU, em alguns momentos, temos que nos defender e apimentar um pouco a disputa pela a mão. Algumas vezes posso acertar um par ou um draw no flop, caso não, tentarei ser criativo e talvez levar o pote em alguma das streets.

Bardah paga.

Flop: 6 2 10 (pote: 120.000)

RB: Eu tenho um draw para sequência e um bom flop para um check-raise.

CT: Sério? Por que um check-raise?

RB: Se eu quero vencer esse pote, preciso aplicar um check-raise no flop e tirar o comando da mão do Marco. E outra coisa, eu estava acertando muitas mãos e vencendo quase que todo pote. Então, o momento realmente estava do meu lado.

Bardah pede mesa. Johnson aposta 30.000. Bardah reaumeta para 60.000. Johnson paga.

Turn: J (pote: 240.000)

CT: E como foi essa carta pra você?

RB: Foi ótima. O J me dá um flush draw, que, apesar de ser de 5, se o Marco acertou um par no flop e está disposto a dar call até o final, eu acabo de ganhar outs extras.

Bardah aposta 60.000. Johson paga.

River: 4 (pote: 360.000)

RB: Desta vez, o river está ao meu favor e me dá uma sequência.

Bardah aposta 60.000. Johnson paga e esconde as suas cartas.
Bardah leva um pote de 480.000.

RB: Marco pagou com muita ressalva, pois ele sentiu a vibe da mão. Algumas vezes você sente isso. Ele não sabia o que eu mostraria, mas ele tinha quase certeza que estava derrotado.  Ele pode ter pensado que eu havia acertado um pair no flop e um flush draw no turn. Eu continuei muito bem na partida e finalmente consegui meu primeiro bracelete da WSOP.



NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×