EDIÇÃO 48 » ESTRATÉGIAS E ANÁLISES

Tilt às avessas

Quase todo mundo jogando poker está tiltado


Ed Miller

Você se senta para jogar no-limit hold’em de $1-$2 em uma mesa cheia. O jogo está acontecendo há algum tempo. Dois jogadores têm grandes stacks, e outros dois seguram suas últimas fichas. Em média, quantos de seus nove oponentes estão, nesse momento, tiltados?

Eu diria que todos. Sim, os nove. Hoje em dia, nos jogos de no-limit hold’em baratos, eu diria que todo mundo que está jogando há meia hora ou mais está em tilt.

Isso soa ridículo? Se você define o tilt de forma limitada (perder um grande pote e depois pirar por isso), obviamente é bobagem achar que todo mundo está tiltado. Mas eu tenho uma definição mais ampla. Eu acho que você está em tilt quando permite que suas decisões sejam significativamente afetadas pelo seu estado emocional. E, com base nessa visão, quase todo mundo jogando poker está tiltado.

Eis o motivo. Pode-se presumir que qualquer um que tenha perdido uma quantia relevante de dinheiro está tiltado. O número de jogadores de poker capaz de perder e verdadeiramente deixar para lá é muito pequeno. E eu não esperaria encontrar um deles em uma mesa aleatória de $1-$2.

Existem, ainda, aquelas pessoas que ficam mais ou menos no zero a zero durante a sessão. Há duas maneiras de isso acontecer. Você pode não receber cartas boas e ficar dando fold, ou pode jogar potes e ficar numa montanha-russa que lhe deixa, por enquanto, de volta no ponto de partida. Dar fold após fold é frustrante, bem como a montanha-russa. Quanto mais alguém fica empatado no poker, maior a sua frustração. E jogadores nessas condições tendem a tentar forçar a ação em vez de esperar por oportunidades que vêm de forma natural.

Finalmente, há os vencedores. Esses não podem estar tiltados, podem? É claro que sim, e geralmente estão. Vencedores tendem a entrar no que eu chamo de “tilt às avessas”. Eles estão tão eufóricos por ter acumulado todas aquelas fichas que param de pensar claramente sobre suas decisões. Eis os sinais do tilt ao contrário:

Jogadores em tilt às avessas começam a jogar muito mais mãos do que normalmente jogariam. Se você já jogou poker live, já viu isso acontecer. Um cara ganha um pote tão grande, que joga as cinco mãos seguintes com uma montanha enorme e mal organizada de fichas à sua frente. Durante esse período, ele leva três vezes mais tempo para agir do que o normal. Ele precisa parar de organizar as fichas, tirar as cartas do meio delas e então tomar uma decisão.

Ele dá fold? Nunca. Eu talvez conte nos dedos o número de vezes na minha vida em que vi um jogador casual abocanhar um pote monstruoso e dar fold pré-flop na mão seguinte (jogadores regulares tendem a ser melhores quanto a isso). Esse cara está muito mais propenso a dar call sem olhar sua mão do que olhar sua mão e depois dar fold.

É o tilt às avessas. Esse jogador acabou de ganhar uma montanha de fichas, então é empolgante mandar uma ficha de volta ao pote para jogar a mão seguinte. E a seguinte, e a seguinte. Ele também tende a pagar raises e reraises de forma mais loose. A euforia de uma grande vitória o encoraja a permanecer na ação o máximo possível.

Uma boa maneira de explorar essa tendência é ficando mais loose quanto aos seus padrões de raise (e particularmente de reraise) contra esse jogador quando você tiver posição. Se ele estiver disposto a jogar a maioria das mãos valendo $80-$100 em um jogo de $2-$5, eu volto reraise com pocket pairs altos e médios, de ases até AT, e KQ. Se eu estiver no button (e, portanto, tiver chances particularmente pequenas de me deparar com alguém ainda a falar segurando uma mão alta), diminuirei ainda mais esses padrões. Você pode não se sentir totalmente confortável jogando com KQ em um pote de $200 pré-flop, mas quando um cara está disposto a dar call fora de posição com K4 offsuit ou Q2 suited, você definitivamente deve colocar o seu dinheiro no pote.

Jogadores tiltados às avessas tendem a levar sua estratégia pós-flop normal ao extremo. Digamos que um jogador normalmente ruim tenha acabado de ganhar um pote enorme dando call com o segundo par contra um grande blefe no river. Durante o resto da noite, eu espero que esse cara pague ainda mais do que ele normalmente paga. Ele dará call no flop com qualquer coisa. Dará call diante de apostas fortes no turn com um par de dois. Ele não necessariamente dará call com qualquer mão no river, mas se tiver novamente aquele “feeling” de que alguém está blefando, não hesitará em pagar um empurrão com qualquer parzinho. Afinal, um grande call foi o que o deixou feliz para começo de conversa, então ele dificilmente se intimidará diante de outro.

E não é só dar call o que os “tiltados às avessas” fazem em excesso. Caso sejam blefadores, eles começarão a blefar mais, geralmente em situações ridículas e sem possibilidade de sucesso. Se gostarem de supervalorizar mãos como top pairs e overpairs em bordos coordenados, farão isso ainda mais. Em situações nas quais apenas dariam call com, digamos, um par de damas em um bordo com três cartas para flush e três para straight antes do tilt invertido, agora eles darão raise e tentarão colocar mais dinheiro no pote.

Explore tais mudanças das maneiras mais óbvias. Se eles estiverem pagando mais, aposte pelo valor com mãos mais fracas do que as com que você normalmente apostaria. Se estiverem blefando mais, dê check com mãos boas e depois pague a aposta deles. Se estiverem entrando muito light, jogue suas mãos fortes com agressividade. E em todos esses casos, reduza a sua frequência de blefes. Jogadores em tilt às avessas são os piores para se tentar blefar.

Esse tipo de tilt pode ser traiçoeiro. Se você está com muitas fichas, se sente bem. Se sente afiado. Você não cogita estar jogando mal. Mas pode muito bem estar. Eu costumava ter problemas com o tilt às avessas, e eis como mudei isso. Fiz exatamente o oposto de todas as coisas que os tiltados fazem. Eu fiquei um pouco mais tight pré-flop. Depois, joguei o feijão com arroz básico: mais check-folds em flops que não acertei, menos continuation bets, menos blefes, menos calls heroicos. Consciente ou inconscientemente, os jogadores parecem esperar que um cara com uma enorme montanha de fichas aja de forma insana. Ao ficar mais sério após uma grande vitória, eu evitava os perigos do tilt às avessas ao mesmo tempo em que era pago com minhas mãos boas. Se você sofre desse tipo de tilt, recomendo vivamente que você tente esses ajustes.

Agora, voltemos àquele jogo 10-handed no qual todo mundo está tiltado. Os perdedores estão irritados, frustrados, e com medo de não sobreviver a mais uma carta do river. Os que estão no zero a zero estão entediados e frustrados, e querem forçar a ação. E os vencedores se sentem invencíveis, e começam a jogar feito loucos, como se não fosse nada. Ninguém está sóbrio, exceto talvez o cara que acabou de se sentar.

Poker: uma cachaça e tanto.




NESTA EDIÇÃO


EDIÇÃO 48

Ano 4 - Julho, 2011

ASSINE JÁ! ÍNDICE COMPLETO
Aumente seu stack agora! Stack fichas
Curso Poker Fora da Caixa em Belo Horizonte - Massari Poker School
Mesas de Poker

NEWSLETTER

Receba nossas novidades em seu e-mail.

Fichas Nupano - Compra e venda de fichas online



30% de desconto em todos os livros de poker. Até 3x sem juros. Você ainda ganha baralho Copag.

A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×