EDIÇÃO 35 » MISCELÂNEA

Capture a bandeira: Aaron ‘aejones’ Jones


Julio Rodriguez

Aaron “aejones” Jones começou sua carreira no poker em míseros torneios de $5 no colegial, mas depois de ler todos os livros que pôde, ele conseguiu juntar um modesto bankroll a ponto de poder enfrentar os jogadores regulares das mesas de medium-stakes.

Depois de alguns anos de má administração de bankroll e com a variação o prejudicando, ele deu a volta por cima. Tudo começou com um estudo dedicado do jogo, que ganhou fôlego com ele postando comentários e recebendo feedbacks sobre mãos de cash games em fóruns de poker, e que continua hoje com ele oferecendo serviços de treinamento no LeggoPoker.

Jones atualmente se encontra confortável nos nosebleed stakes online, enfrentando alguns dos melhores jogadores do mundo — e ganhando.

A Card Player se encontrou com ele para discutir um pouco de estratégia e ver onde ele está em sua carreira no poker.

Julio Rodriguez: Você teve um começo de altos e baixos na sua carreira no poker, mas as coisas parecem ter se estabilizado recentemente. Em que limites você joga hoje em dia?

Aaron Jones: Eu jogo quase qualquer ação em heads-up de $25-$50 e $50-$100. Não jogo mais alto do que isso. Quer dizer, atualmente as coisas são meio aleatórias. São basicamente profissionais jogando contra outros profissionais.

JR: Então, tem sido difícil conseguir ação? Eu acho que isso é um elogio ao seu jogo.

AJ: Um pouco. Quando alguém nos limites mais baixos entra numa boa fase, ele pode ocasionalmente tentar a sorte contra mim nas mesas mais caras. O único problema é que tais jogadores não demoram muito por lá, especialmente se forem derrotados. Então, é um pouco aleatório, a depender de quem esteja se dando bem e de quem tem trabalhado no seu jogo recentemente.

JR: O que você acha dos jogadores que estão batalhando nas mesas de $1.000-$2.000?

AJ: Eu acho que o maior problema que os jogadores online têm é que eles são incapazes de associar o dinheiro online ao dinheiro real. Embora a conversão seja de cerca de 50% graças ao Tio Sam, você ainda precisa tratar seu dinheiro online como real. Eu sempre fui capaz de meio que conceituar isso bem melhor do que a maioria das pessoas. Por causa disso, eu, de certa forma, me tornei metódico quanto ao bankroll. Em termos simples, pouquíssimas pessoas têm o bankroll adequado para $200-$400, então imagine para limites muitas vezes acima desse nível.

Eu acho que um garoto sonha em ser o melhor ou ganhar o dinheiro de todo mundo. Na maioria das vezes, ele vai acabar quebrando, mas de vez em quando vai acabar sendo um grande vencedor, eu acho.

JR: É uma coisa de ego?

AJ: Sim, é ego. Eu acho que é esse o caso para a maioria dos jogadores online. Você deve tratar o jogo como um trabalho, mas esse é um conceito que a maioria dos jogadores online tem dificuldade em apreender. Eu acredito que ainda há uma mentalidade de apostador compulsivo no poker online, e muitos jogadores agem assim.

JR: No passado, você se envolveu em algumas partidas um pouco pessoais contra outros jogadores de high-stakes. Você já passou dessa fase no seu jogo?

AJ: Eu definitivamente amadureci um pouco, mas partidas assim são para conseguir ação muito mais do que qualquer outra coisa. Como eu disse antes, é difícil achar pessoas para jogar comigo às vezes, então se for preciso, eu não me importo em provocar alguém um pouco para gerar alguma ação. E também para ganhar equidade na revanche.

Durante a maior parte do tempo, o heads-up de no-limit hold’em é muito traiçoeiro. Você está tentando fazer com que as pessoas achem que você está fazendo uma coisa quando na verdade está fazendo outra. Então, eu não me oponho a jogar mal determinada mão e me certificar de que meu oponente vai perceber isso. Ele vai achar que eu não sou particularmente versado em determinado conceito e isso talvez funcione em meu favor mais tarde na sessão, ou até mesmo semanas e meses depois. É preciso enxergar o todo: muitos fatores pequenos se juntam para formar algo grande, o que talvez faça de você um grande vencedor.

JR: Quanto à estratégia, você pode explicar a diferença entre agressividade front-door e agressividade backdoor?

AJ: Agressividade front-door é simples. Um jogador vai dar raise, dar continuation-bet, atirar no turn, e assim por diante. Agressividade backdoor é um pouco diferente, pois é adiada para os estágios finais. Muitas vezes, em especial no jogo live, os jogadores simplesmente não são capazes de dar raise blefando no turn ou no river. Mas jogadores mais perigosos estão constantemente cientes de quais possibilidades estão disponíveis para sua mãos, e não veem problema em transformar um par em um blefe, caso seja necessário.

Na maior parte do tempo, até que você seja bom o bastante para compreender determinados conceitos, precisa estar sempre ciente se está apostando pelo valor ou como blefe. Você deve ter essas gamas conhecidas. A partir disso, se você estiver diante de uma aposta no river e tiver uma mão, mas não estiver seguro de que consegue ganhar um showdown, pode querer transformar essa mão possivelmente valiosa em um blefe, talvez representando um backdoor flush, uma trinca no river e assim por diante. Às vezes, você vai fazer com que apenas as piores mãos deem fold, mas outras vezes, afastará as melhores também.

A chave aqui é que o raise no river mostra uma força substancial. Então, em vez de dar apenas call com suas mãos marginais e ser um calling station, você pode ocasionalmente demonstrar agressividade na última street e levar o pote sem showdown.

JR: Você é um dos principais coaches do site LeggoPoker. Parece que o mercado do poker ficou saturado de sites de treinamento recentemente, e nem todos os coaches são sequer jogadores vencedores.

AJ: Cada site de treinamento tem padrões próprios, e alguns são mais rígidos do que outros. Nós tivemos muita sorte no LeggoPoker de nossos coaches terem se mostrado não apenas bem sucedidos, como também duradouros no jogo. Eu sei que há determinados sites que computam os resultados dos jogadores, mas um gráfico ruim nem sempre conta a história completa.

Lembre que o poker online existe há bem mais tempo do que esses sites de tracking, e há muitos sites e modalidades que ainda não são computados. Além do mais, um jogador pode ter construído seu bankroll e constantemente ganhar em, digamos, $25-$50, e então perder um bom montante quando decidir dar tiros em limites mais altos. Um bom coach de poker não é necessariamente o maior ganhador do jogo: ele é o sujeito que pode melhor expressar suas ideias e conceitos para os alunos.

JR: Qual é o conceito que um jogador iniciante deve dominar antes de poder subir de limites?

AJ: É bem clichê, mas não custa repetir. Você deve focar mais no seu oponente e na sua posição na mesa do que nas cartas em si. Acredite, você vai ganhar muito mais dinheiro na vida jogando com Q-2 suited no button do que com K-J do UTG.

É um conceito bem básico, mas muito importante. Quando você começa a pensar no jogo dessa maneira, vai ficar muito mais preparado para subir para conceitos mais avançados e limites mais altos.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×