EDIÇÃO 17 » ESTRATÉGIAS E ANÁLISES

Pot-Limit Omaha: Jogo Básico Pré-flop

Conceitos chave


Jeff Hwang

Na última edição, eu classifiquei as mãos iniciais em pot-limit Omaha (PLO) por força, dividindo-as nas categorias premium, especulativas, marginais e lixo (todo o resto). Na maioria das vezes, as mãos dentro de cada grupo específico serão jogadas da mesma maneira antes do flop. Analisemos alguns conceitos chave do jogo pré-flop.

1. Quando fora de posição, sua prioridade é manter pote disputado por várias pessoas. Depois do flop, é preciso uma mão maior para apostar do começo da mesa do que para apostar de posição final quando a mesa tiver rodado em check. E o que você realmente não quer que aconteça é dar raise e acabar ficando heads-up com um jogador que fale depois, pois, a não ser que o flop lhe ajude muito, você ficará em grande desvantagem. Inevitavelmente, mais flops não irão lhe ajudar do que o contrário, e você geralmente acabará pedindo mesa e dando fold, ou será superado mais tarde na mão.

Dito isso, é preciso, em regra, entrar de limp de posição inicial para manter o multi-pote, ou manter seus aumentos pré-flop pequenos. E quando você aumentar, só o faça com mãos premium.

2. Cartas menores são mais especulativas do que as maiores. Uma mão como QJ109 tem grande vantagem sobre 7654, apesar do fato de ambas terem a mesma estrutura. Do mesmo modo, 7642 é um pouco mais especulativa que QJ97. A principal vantagem das cartas maiores é que elas estão mais propensas a acertar o top pair ou dois pares mais altos, o que significa que você vai ter mais flops para apostar com cartas maiores do que com pequenas, em particular de posição final quando a mesa rodar em check.

3. Draws especulativos requerem grandes estoques, ação múltipla e implied odds. Em Omaha High-Low, Bill Boston afirma que as odds de se conseguir duas cartas chave são de 25-1 contra. Por exemplo, uma mão especulativa como 8753 ou 7652 tem chances contra de 25-1 para conseguir as duas cartas chave no flop. Além disso, não faz muito sentido jogar essas mãos se você tem um estoque pequeno, nem é interessante, em regra, colocar muito dinheiro no pote antes do flop com essas mãos. Mãos especulativas têm mais valor em um jogo com grandes estoques e espaço para se jogar depois do flop. Tais mãos também preferem multi-potes.

4. Mãos marginais são para jogo em posição final e aposta mínima apenas. Mãos marginais de uma via como KK72 ou KQJ5 não são completamente inúteis, mas vale a pena tanto ver o flop de forma barata quanto ter uma vantagem posicional quando jogar com elas.

5. Em uma mesa que é tanto loose quanto passivo pré-flop, pode-se jogar mãos especulativas de qualquer posição. Se você estiver em um jogo em que cinco ou seis jogadores vêem cada flop e há poucos aumentos pré-flop, é possível jogar com mãos especulativas de qualquer lugar da mesa. Isso é típico de jogos de limites baixos, tanto online quanto ao vivo.

6. Em uma mesa loose e agressiva com grandes estoques, mãos especulativas podem ser jogadas de qualquer posição, embora jogadores tight guardem essas mãos para posição final. Mesmo em uma mesa com aumentos pré-flop constantes, mãos especulativas podem ser jogadas de qualquer posição, desde que os potes estejam sendo disputados por várias pessoas e os estoques sejam grandes, com, digamos, uma média de 100 vezes o big blind no mínimo, se não significativamente mais. Esse tipo de jogo é comum nos cash games live mais caros das cardrooms. Todavia, jogar essas mãos fora de posição traz uma volatilidade considerável, pois você acabará tendo que pedir mesa e largar diante de um grande número de flops. Diante disso, jogadores tight podem querer deixar essas mãos para quando estiverem em late position.

7. Mãos especulativas podem ser jogadas de posição final sob a maioria das circunstâncias. A não ser que o dinheiro esteja all-in ou que você se encontre diante de um raise ou reraise, os draws especulativos são praticamente sempre jogáveis de posição final. Não necessariamente seja interessante jogar com uma mão especulativa baixa como 7-6-4-2 em heads-up, mas uma mão ligeiramente melhor como 10-9-7-5 se dá bem mesmo no um-contra-um diante de alguém que goste de dar raise pré-flop, ou em posição num pote com três pessoas, pois seus oponentes teriam de se beneficiar com o flop mais do que você. De fato, em posição, quase quaisquer quatro cartas são jogáveis em heads-up, mas eu acho que a maioria dos jogadores deve encarar as mãos especulativas como as últimas para se pagar um raise, em particular com oponentes ainda por falar.

8. A não ser que você possa colocar todo ou a maior parte de seu dinheiro antes do flop, toda mão A-A é um draw. No Omaha, em jogos com grandes estoques, ases são como qualquer outro draw, devendo ser jogados como tal. Isso significa que você geralmente deve apenas entrar de limp com ases e restringir seus raises a mãos premium A-A. A principal exceção é quando for possível colocar todo ou a maior parte de seu dinheiro antes do flop, pois, em heads-up, um par de ases é favorito contra quase todas as outras mãos.

9. A não ser que você possa colocar grande parte ou todo seu dinheiro antes do flop, evite dar reraises fortes com A-A. O maior erro que se pode cometer com ases é fazer um grande aumento pré-flop com um montante significativo de dinheiro para jogar. Você está entregando metade de sua mão (e a metade importante, vale salientar) e vai atrair oponentes que irão superar um par de ases. Ao voltar reraise com ases, deve-se evitar dar ao oponente implied odds para tentar acertar um draw que lhe derrote.

10. Quando diante de um aumento ou reaumento simples, geralmente é melhor largar qualquer mão com um ás. Em geral, um reraise diz que um oponente tem A-A. Se os estoques forem grandes, você pode jogar com uma mão como 9-8-7-6 de dois naipes, mas deve largar algo como A-K-J-9, pois qualquer mão com A-A lhe derrota, e será muito mais difícil acertar um draw vencedor.

11. Em posição final, freqüentemente se deve aumentar antes do flop com suas mãos premium. Em PLO, há duas razões principais para se dar raise pré-flop: construir o pote pelo valor e proteger o Button. Dito isso, você deve aumentar de posições finais (as últimas três posições, mais ou menos) com mãos premium, como 8765, AKQ9, QQJ10 e AA87. Um raise de três a cinco vezes o big blind geralmente é adequado.

12. O custo de se jogar tight “demais” é apenas uma fração dos blinds, enquanto o custo de se jogar loose pode ser todo seu estoque. Um dos fatores mais importantes para ter em mente é que os blinds em PLO são relativamente insignificantes quando comparados ao que entra no pote depois do flop. Sendo assim, não custa muito esperar por mãos adequadas para se jogar. Se você tiver uma seqüência baixa de naipes diversos como 7-6-5-4, o custo de não jogar a mão é uma fração dos blinds, enquanto optar por jogá-la pode ser um desastre. Minha recomendação é que você espere por mãos que se adéqüem a seus objetivos, descarte lixo e evite jogar com mãos marginais quando estiver fora de posição.

Jeff Hwang é um jogador semi-profissional e autor de Pot-Limit Omaha Poker: The Big Play Strategy. Ele é também contribuidor de longa data do Motley Fool. Você pode checar o website dele em jeffhwang.com




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2018. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×