EDIÇÃO 13 » MISCELÂNEA

Capture a Bandeira: Nick Schulman


Lizzy Harrison

Nick “The Takeover” Schulman explodiu no cenário do poker depois de ganhar o World Poker Finals de 2005 em Foxwoods, mas o objetivo principal que o levou ao cassino de Connecticut foi jogar cash games. Antes de começar a disputar o circuito de torneios, ele ganhava a vida como jogador de cash games nos clubes de poker underground de New York City. Schulman, com apenas 24 anos, já acumulou mais de $3,3 milhões em premiações de torneios e continua a provar que é um dos mais sólidos e versáteis jogadores de poker.

Lizzy Harrison: Que fatores fazem de alguém um bom jogador de cash games?

Nick Schulman:
Naturalmente, os piores jogadores são aqueles com os quais você quer jogar. Além disso, certas pessoas são mais afeitas a determinadas modalidades. Você deve tentar se juntar às mesas que têm uma combinação de jogos nos quais você acha que se dá melhor. Portanto, isso deve ser levado em conta, bem como os adversários, na hora de escolher um jogo.

LH: Qual é sua variante preferida e por quê?

NS:
Eu creio que no-limit hold’em provavelmente seja meu melhor jogo. Obviamente, é por isso que eu prefiro jogá-lo. Eu também gosto de limit games; quando jogo limit, gosto de H.O.S.E. É uma mistura de modalidades mais comum na costa leste: Omaha eight-or-better, seven-card stud e seven-card stud eight-or-better. No leste, os cassinos não oferecem muito deuce-to-seven, badugi ou razz. Jogamos muito H.O.S.E. quando estou em casa, mas quando estou em Las Vegas, tenho que jogar muitas modalidades loucas.

LH: Qual o jogo de que você menos gosta?

NS:
Eu acho que seven-card stud eight-or-better é o meu pior, mas eu não diria que é o de que menos gosto em termos de diversão. Badugi provavelmente é meu jogo menos favorito, ou talvez razz.

LH: Quais foram os maiores limites em que você jogou?

NS:
Eu já joguei em uma mesa de limit de $3.000-$6.000, mas na verdade jogava apenas $1.000-$2.000, pois vendi grande percentagem de mim mesmo. Eu jogo, com meu próprio dinheiro, até o limite de $1.000-$2.000. Se houver uma mesa mais cara, provavelmente irei querer vender uma porcentagem de mim. Eu geralmente fico na faixa de $100-$200 quando jogo no-limit, embora já tenha chegado a jogar $300-$600. Eu fico mais confortável em no-limit de $100-$200 ou em limit de $600-$1.200.

LH: Como um jogador deve decidir se está preparado para subir de limites?

NS:
Eu acho que quando ele estiver vencendo consistentemente no nível em que se encontra. Às vezes, contudo, você não precisa subir de limites quando está ganhando. Se você for um jogador de no-limit de $25-$50 e estiver confortável jogando nessa mesa, mas tem um bankroll que lhe permita jogar na de $50-$100, isso não significa que você deva jogá-la. Porém, se um dia os oponentes forem muito bons para você na mais cara, deve-se jogar nela. Para subir de limites com consistência, no entanto, é preciso ganhar em uma mesa por determinado período.

LH: Durante quanto tempo você deve ganhar em um jogo antes de subir de limites, e faz diferença se você está vencendo online ou ao vivo?

NS:
Jogos online e ao vivo são completamente diferentes. Ao vivo, você deve ganhar constantemente em um nível durante pelo menos alguns meses antes de subir de limites. Online, é preciso ganhar com consistência durante apenas um mês para poder subir, pois você vê muito mais mãos. Um mês de jogo online equivale provavelmente a três ou quatro de jogo ao vivo.

LH: Qual é o erro mais comum que você vê jogadores de cash games inexperientes cometerem?

NS:
Em cash games de no-limit hold’em, amadores geralmente supervalorizam um par alto. Isso ocorre porque, em um torneio, um par alto é em regra uma mão muito grande, mas, em cash games, muitas vezes não é. Em cash, você tem tempo para esperar por oportunidades melhores, pois os blinds não aumentam como nos torneios. Essa pressão é tirada de você. Além disso, às vezes amadores fazem blefes aleatórios ou jogadas desnecessárias. Em cash games, você não precisa ser muito criativo.

LH: Que habilidades são mais importantes em cash games do que em torneios?

NS:
Provavelmente tocamos nesse assunto na última pergunta. É preciso ser capaz de evitar perder tudo em uma situação marginal. Embora isso seja necessário em torneios, em cash games não apenas é desnecessário, como também é incorreto, pois você pode aguardar por uma oportunidade melhor.

LH: Que conselho você daria a um jogador bem-sucedido de torneios que quisesse adentrar na arena dos cash games?

NS:
Primeiramente, eu diria a ele que se lembrasse de que, em um torneio, você acaba jogando com um grupo diferente de pessoas. Eu não estou dizendo que eles são necessariamente jogadores ruins, mas são diferentes daqueles que você encontra em cash games. As fichas em um torneio representam algo, mas não é como em um cash game, onde uma ficha de $100 vale $100. Portanto, as pessoas em cash games são menos propensas a cometer loucuras, coisas aleatórias que podem fazer em torneios, e você deve se lembrar disso. Em cash games, certas mãos perdem muito valor, enquanto outras se valorizam. Por exemplo, suited connectors ganham valor em cash games porque todo mundo tem mais fichas em relação aos blinds, e uma mão assim pode potencialmente ganhar um pote enorme. Contudo, não é muito boa em torneios, em que você pode ter apenas 20 ou 30 big blinds. Portanto, eu aconselharia a ficar mais loose quanto à escolha das mãos iniciais pré-flop, para depois ficar tight à medida que joga a mão no resto das streets.

LH: Que características grandes jogadores de cash games têm em comum?

NS:
Em geral, uma capacidade de evitar entrar em tilt ou se irritar. Eles também têm excelentes habilidades e conhecimentos dos jogos. E, é claro, eles são bons competidores. Muitos dos melhores jogadores de cash games também sabem os momentos certos. Sabem como empurrar quando estão ganhando. Quando as coisas estão indo bem, eles jogam longas sessões, e, quando não estão num dia bom, sabem quando parar, e conseguem fazer isso. São bons ao escolher suas oportunidades, e sabem quando não devem jogar. É muito importante ser capaz de sair de um jogo quando você está perdendo.

LH: Que jogadores de cash games você mais respeita e por quê?

NS:
No que se refere ao no-limit hold’em, eu realmente respeito Kenny Tran. Ele possui as melhores habilidades de escolha de mesas que eu já vi, e jamais se enfurece. Também respeito muito Haralabos Voulgaris por muitas razões similares: ele é um jogador excelente. Existem tantos competidores de no-limit com estilos diferentes. Eu também respeito vários dos jogadores da Internet, como “SBrugby” [Brian Townsend]. Quanto à limit, existem muitos caras que eu respeito, em especial aqueles que jogam $3.000-$6.000 ou $4.000-$8.000. Realmente respeito quase todos os caras que jogam tão alto.

LH: Você conhece algum jogador de cash game abaixo do radar no qual devemos ficar de olho?

NS:
Na verdade, sim, meu amigo Eugene Katchalov. Eu o considero um dos melhores e mais versáteis jogadores de hold’em do mundo, tanto em cash games quanto em torneios. Ele é fenomenal. Não citarei mais jogadores, pois acho que alguns deles devem querem continuar jogando abaixo do radar.




NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×