EDIÇÃO 102 » COLUNA INTERNACIONAL

Déjà Vu

Analisando algumas mãos interessantes


Gavin Griffin
Já fazia um tempo que eu não fazia registros de uma sessão de torneios. Bem, decidi fazer isso em um evento de US$ 1.100 que meu cassino organizou recentemente e separei algumas mãos interessantes para esta coluna. O stack em todas elas é de 15.000 fichas, o inicial: 
 
Mão #1
 
Com os blinds 75-150 e ante de 25, um jogador local regular abre raise para 500. No button, eu dou call com J9. O flop vem 3-4-5 rainbow, e ele pede mesa. Eu aposto 600, ele paga. O turn é outro 5. Eu aposto 1.500, e ele dá fold.
 
Esta não é a mão mais interessante que joguei, mas acredito que ilustre um ponto chave em torneios. Torneios se tratam de acumular fichas, não de acertar jogos fortes. Em minha opinião, meu oponente deixou claro qual era a sua mão ao pedir mesa no flop. Provavelmente, ele tinha um A-X que não acertou nenhum par. Posso apostar no flop mesmo esperando que ele não vá desistir, mas com o plano de apostar novamente em quase qualquer turn. É possível que eu peça mesa apenas quando um Dez ou uma carta maior aparecer.
 
Ao verem um flop como esse, com J-9 suited, muitos jogadores de torneio iriam desistir da mão ou atirar apenas no flop. Desde que eu consiga restringir o range de mãos do meu oponente, eu posso desenvolver um plano que funcionará bem contra ele.



Mão #2
 
O vilão da última mão faz 500 do cutoff. Eu pago no big blind com 109. O flop vem K-J-4 rainbow. Nós dois pedimos mesa e vemos outro Rei aparecer no turn. Eu peço mesa, ele aposta 600, eu faço tudo 1.650, e ele paga. O river é um terceiro Rei, e nós dois pedimos mesa. Ele mostra 7-7 e puxa o pote.
Meu plano era dar call no flop e ganhar o pote nas streets posteriores. Quando ele pede mesa, eu acredito que ele tenha algo como A-Q, A-10, um Valete ou pares médios. 
 
O Rei no turn é uma péssima carta para sair apostando, já que dificilmente ele irá largar as mãos que citei, mas acredito que um check-raise demonstrará muito mais força. É pouco provável que ele segure um Rei e menos provável que ele vá largar suas combinações que tenham um Valete, mas o check-raise e uma aposta river podem expulsá-lo do pote. O mesmo vale para os pares médios, que geralmente já darão fold no turn. 
 
O river é horrível para blefar. Minhas opções são: desligar a mão ou mandar uma bomba para tentar fazê-lo desistir. Eu não acredito que ele vá largar qualquer Valete, que engloba uma boa parte do range dele, e não vale a pena apostar 4.000 ou 5.000 fichas para que os pares menores, que dariam call em uma aposta de 2.000, desistam.

Mão #3
 
Uma mão antes desta que vou analisar, com os blinds 100-200 e ante de 25, depois de um limper, o mesmo vilão abriu raise do cutoff para 700 e venceu o pote depois de eu pagar no big blind e dar check-fold no turn. Desta vez, depois de um limper, ele aumentar para 450. Eu faço tudo 1.450, do small blind, com 10-4 offsuit. O flop vem Q-9-6 rainbow, e ele paga minha continuation bet de 1.300. O turn é um 2, que abre um flush draw. Eu aposto 4.100 e ele larga.
 
Eu achei o tamanho da aposta dele pré-flop bem esquisita e resolvi tirar vantagem disso. Geralmente, quando alguém diminui drasticamente o tamanho da aposta de uma mão para a outra, isso significa uma mão mais fraca do que a anterior, mas que ele ainda acredita que é uma mão que pede um aumento. Eu preferiria segurar algo com equidade um pouco melhor para fazer a 3-bet, mas, às vezes, isso não é necessário. Para mim, eu poderia ganhar o pote ali mesmo. Se eu não conseguisse, haveria muitas outras oportunidades no pós-flop. 
 
Eu faço uma aposta pequena porque o bordo é bem seco, então espero puxar o pote com frequência fazendo uma grande aposta no turn. Quando ele paga, seu range engloba 9-X e Q-X, além de pares médios. O turn é uma ótima carta, pois suas mãos que não têm Dama e que minha pequena aposta manteve na mão, provavelmente, desistirão frente a uma aposta de 70% do pote.
 
Nos dias atuais, uma das coisas boas dos torneios de no-limit hold’em com excelente estrutura é que você joga com as mesmas pessoas várias vezes. Com isso, você pode jogar muitas mãos deepstack contra esses adversários e fazer ajustes para um dia tirar vantagem de suas tendências. Preste atenção e comece a exercitar isso no clube em que você joga regularmente. A melhora em seus resultados irá lhe surpreender.


NESTA EDIÇÃO


EDIÇÃO 102

Ano 9 - janeiro, 2016

ASSINE JÁ! ÍNDICE COMPLETO
FichasNet Garantimos o melhor negócio online na compra e venda de créditos.
Fichas Nupano - Compra e venda de fichas online
Aumente seu stack agora! Stack fichas

NEWSLETTER

Receba nossas novidades em seu e-mail.

Astropay

A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2018. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×