GERAL

“Eu pretendo me aposentar depois deste verão”, diz Doyle Brunson

Norte-americano de 84 anos é a maior lenda viva do esporte da mente


11/06/2018 20:05
» comente
“Eu pretendo me aposentar depois deste verão”, diz Doyle Brunson/CardPlayer.com.br
Doyle Brunson é um dos maiores nomes da história do poker


O Patriarca do Poker está pronto para se despedir do jogo que ele ajudou a popularizar. Aos 84 anos, Doyle Brunson revelou ao jornalista Erik Fast, da Card Player, que pretende se aposentar ao fim deste verão nos Estados Unidos.


Dono de dez títulos na World Series of Poker, incluindo dois no Main Event, ele surpreendeu a todos ao anunciar que vai participar do Evento 23: US$ 10.000 No-Limit 2-7 Lowball Draw Championship. Ao se confundir com o início do torneio, o veterano chegou mais cedo à área de torneios do cassino Rio. Logo uma legião de fãs começou a tirar fotos com o integrante do Hall da Fama. Fast conseguiu conversar rapidamente com Brunson e você pode conferir como foi a entrevista a seguir:


CP: Você disse mais cedo no Twitter que essa talvez seja a sua última WSOP. Se isso realmente acontecer, o que a série significa para você?

DB: Originalmente, tudo isso foi uma maneira de trazer os jogadores de poker a Las Vegas. Essa era a intenção, e com certeza parece que o objetivo foi alcançado.


CP: Na década de 70, você poderia imaginar que a WSOP se tornaria o que ela é hoje, com gigantescos salões repletos de milhares de jogadores, emissoras de TV transmitindo e vários patrocinadores?

DB: Claro que não! Eu me lembro que o Benny Binion uma vez disse: ‘Você sabe, um dia poderemos ter mais de cem pessoas nesse evento’.


CP: Pelo que eu sei, você ainda joga cash games quando pode, mas nos últimos anos você não participou de muitos torneios. Qual é a razão de você evitar os campeonatos?

DB: Eu estou casado há 57 anos e a minha esposa não está bem de saúde. Ela não dorme enquanto eu não chegar em casa. Então eu jogo quase todos os dias quando os cash games acontecem, e eu consigo estar em casa por volta de 21h e 22h. Mas se você opta por jogar um torneio e tudo vai bem, você não consegue sair antes das 2h ou 3h. É isso que me mantém longe dos eventos. Eu sempre tive muita resistência, o que é uma benção, mas me sinto culpado de sair de casa com a minha esposa mal de saúde. Eu sinto que eu deveria estar com ela, então eu acho que eu pretendo me aposentar após esse verão para ficarmos mais tempo juntos.


CP: Por que você decidiu que o $10.000 No-Limit 2-7 Lowball Draw Championship pode ser o seu último torneio?

DB: É o meu jogo favorito. Meu filho me mandou uma mensagem esta manhã dizendo que eu posso entrar direto no Dia 2. Se eu fizer mesa final, o que é improvável, eu chegarei tarde em casa. Eu já conversei com a minha esposa e ela me disse para jogar. É uma espécie de adeus a WSOP. Eu não acho que eu vou jogar mais. Eu posso aparecer no Player Championship.


CP: O Main Event, torneio que você ganhou duas vezes, agora é uma maratona. Você planeja jogar este ano?

DB: Não. Eu não planejo jogar este evento.


CP: Depois deste verão, você pode se aposentar do poker. Você tem alguma opinião sobre a atual situação do jogo, com os torneios sendo o principal destaque? Agora existem esses eventos com fields enormes, como o Colossus, e os super high rollers e seus buy-ins caríssimos. Como você disse, os torneios foram criados originalmente para atrair os jogadores aos cash games, e agora eles se tornaram os seus predadores. Qual é sua visão sobre esse cenário?

DB: Obviamente, há muitos jogadores bons, e esses garotos especializados em NL Hold’em levaram o jogo a outro nível. Eu não encaro a elite do NL Hold’em há muito tempo. Seria interessante enfrentá-los para ver se eles realmente superaram a velha guarda. Talvez eles tenham. Eu não sei exatamente o que eles poderiam ter aprendido, mas pode ter acontecido. O Daniel (Negreanu) joga muito bem estes torneios e ele me disse que há um outro nível do NL Hold’em que a gente não conhece. Ele está assistindo aulas para atingir esse nível. Talvez exista algo a mais, eu não sei, o que eu sei é que o hold’em é apenas um ótimo jogo.


CP: O que significa para você ter se tornado uma lenda viva de um jogo que é um grande passatempo nos EUA e uma febre em vários outros países? 

DB: Tem sido uma grande vida. Eu estava tomado pela ideia de me tornar um atleta quando eu jogava basquete na minha juventude. Assim que eu arrebentei a minha perna, foi o fim desse sonho. Eu encontrei no poker uma forma de competir, e foi ótimo. Você não consegue encontrar muitas coisas em que um cara de 84 anos pode enfrentar oponentes de 30 anos. Isso significa muito para mim. Minha natureza competitiva me levou a competir, e o poker foi o veículo que me permitiu fazer isso. Eu sou apenas grato por tudo. Eu tive muitas bênçãos em minha vida, sobrevivi a muitos momentos difíceis. Mas ainda estou aqui.



Siga a @cardplayerbr no instagram e fique por dentro das nossas novidades.

 



+GERAL



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2018. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123