GERAL

“Eu não esperava estar no nível que estou agora”, conta Ali Imsirovic

Bósnio de 23 anos é uma das revelações da temporada


20/11/2018 16:44
» comente
“Eu não esperava estar no nível que estou agora”, conta Ali Imsirovic/CardPlayer.com.br
Ali Imsirovic é uma das revelações da temporada (foto: Poker Central)


Em 2015, Ali Imsirovic conquistou a sua primeira premiação em um importante torneio ao vivo. Nos feltros do Caribbean Poker Tour, ele encerrou o Main Event na 46ª posição e recebeu US$ 3.650. Desde então, o jovem de 23 anos ganhou US$ 2,5 milhões em alguns dos eventos mais técnicos e caros do planeta. Na temporada, o bósnio já acumulou 13 FTs, 4 títulos e 7 prêmios de seis dígitos.


Imsirovic colocou o seu nome no mapa do poker ao vivo em setembro, quando teve um desempenho incrível no festival Poker Masters. Com dois triunfos e um ganho de US$ 1.288.600, ele ficou com a cobiçada jaqueta roxa. A primeira vitória do profissional foi em um campeonato de US$ 25.000. No dia seguinte, ele soltou o grito de campeão em um torneio de US$ 50.000.


A Card Player conseguiu conversar com Imsirovic. Veja o que o jogador que mora em Vancouver, no noroeste dos EUA, falou sobre a sua ótima fase.


CP: Recentemente, você revelou que há pouco tempo estava jogando nas mesas de $0,02/$0,05. Agora, você está no top 30 do ranking da Card Player. Você pode falar sobre como as coisas mudaram tão rapidamente para você? 

AI: Obviamente, aconteceu mais rápido do que eu imaginava. Nesse ponto da minha carreira, a minha expectativa era estar jogando torneios de US$ 5.000 e alguns de US$ 10.000 aqui e ali. Eu não esperava estar no nível que estou agora. Tem sido difícil me ajustar a essas mudanças bruscas. Eu acho que eu tive muita sorte com alguns grandes resultados na minha carreira, e eu conheci as pessoas certas que me ajudaram no meu crescimento. Dito isto, eu não atribuo tudo a sorte. Trabalhei bastante e dediquei muito do meu tempo ao estudo do jogo.


CP: Como você se interessou pelo poker? Expoentes da geração anterior a sua sempre citam o “Efeito Moneymaker”. O que te levou a gostar deste esporte da mente?

AI: A primeira vez que me interessei pelo poker foi ao assistir a decisão do Main Event da WSOP 2010, quando o Jonathan Duhamel ganhou o bracelete. Também participaram daquela mesa final Michael Mizrachi e Joseph Cheong. Eu achei muito divertido ver aquele garoto asiático blefando contra todo mundo. O Mizrachi fez algumas coisas loucas. Foi genial. Então para mim não foi o “Efeito Moneymaker”, e sim o “Efeito Cheong-Mizrachi”. Antes de tudo isso, eu passei a maior parte do meu tempo jogando basquete. Eu sofri com várias lesões no tornozelo, então eu estava em busca de algo que preenchesse esse vazio competitivo. À época, apenas por diversão, meu jogava poker com os seus amigos. Ele não me queria por lá, então, como sempre acontece, quando os seus pais falam para você não fazer algo, o seu interesse cresce ainda mais. Eu comecei a ler vários livros quando eu tinha 17 anos e foi quando tudo começou.


CP: O que você jogava quando começou? Em que momento você descobriu que talvez você fosse bom?

AI: Assim que eu completei 18 anos, o meu pai me deu 60 dólares para o conserto da minha guitarra. Eu peguei o dinheiro e fiz a minha inscrição em um torneio de US$ 60. Fiquei ITM e ganhei US$ 1.500. Foi um início favorável. Eu coloquei US$ 100 no online e passei a jogar nos low stakes por um bom tempo. Eu demorei para sair dos $0,02-$0,05. Eu não era muito bom naquele tempo, mas eu amava jogar e fazia isso o tempo todo. Há uns dois anos, as coisas mudaram a eu passei a me dedicar bastante para aprimorar o meu jogo. Foi assim que consegui essa ascensão meteórica. 


CP: Em sua carreira nos MTTs ao vivo, alguma vez você deixou se iludir pelos resultados em alguns torneios? 

AI: Definitivamente. Eu cometi esse erro no início. Eu sou muito grato por isso ter acontecido quando eu estava nos low stakes. Ao ganhar um torneio e embolsar US$ 30 mil eu pensei ‘sou o melhor”. Antes dessa cravada, eu jogava $0,50/$1.00, e depois passei a frequentar as mesas de $2/$4 e $3/$6. Eu definitivamente não estava pronto para essa mudança. Eu cheguei a perder vários buy-ins até perceber que ganhar um torneio não significava nada. Isso me levou a estudar ainda mais. Depois que eu fiz amizade com vários regulares dos high stakes, eu faço questão de fazer várias perguntas. Eu estou tentando me focar naquilo que eu preciso fazer para chegar ao nível deles.


CP: Quais são as suas próximas metas para os torneios ao vivo?

AI: Meu foco está nos eventos high rollers. Meu objetivo é apenas vencer o máximo possível. Eu quero seguir me testando nos principais campeonatos até que eu sinta que eu sou um dos melhores jogadores no field.



Precisa de fichas? Entre em contato com a ROYALpag e receba seus créditos em 5 minutos.

 



+GERAL



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2019. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Stela de Souza, 54 - Sagrada Família - Belo Horizonte/MG - CEP: 31030-490
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123