● VEGAS TIME:   Acompanhe os bastidores e novidades dos brasileiros na World Series of Poker 2017

EDIÇÃO 48 » MISCELÂNEA

Quando eu era um donkey: Chino Rheem

Nessa nova série, a CardPlayer pede que os maiores profissionais voltem às suas humildes origens e ofereçam um insight a respeito dos erros, leaks e das deficiências que tiveram que superar para melhorar seu jogo.


Brian Pempus

Chino Rheem é atualmente considerado um dos jogadores mais criativos e agressivos de no-limit hold’em do circuito. O jovem profissional da Califórnia apareceu em 2006, conquistando um segundo lugar contra Allen Cunningham em um evento com rebuy de $1.000 da World Series of Poker. Em 2008, ele terminou em sétimo lugar no Main Event da WSOP, ganhando um prêmio gigantesco de $1.772.650. Aquele ano incrível ainda não havia terminado para Rheem, que foi em frente e venceu o World Poker Tour Doyle Brunson Classic, em Dezembro, levando $1,5 milhão. No geral, ele já ganhou mais do que $4,6 milhões em sua carreira.

Aqui, Rheem discute um de seus erros quando ele estava começando a aprender o poker de cash games, e como isso lhe custou muito dinheiro, mas ofereceu a experiência necessária para se tornar parte da elite do poker.

“Eu era um fish quando era iniciante. Quando comecei a jogar cash games live no sul da Flórida, ninguém jogava no-limit. Era tudo limit hold’em e stud. E se eu tivesse 7-6 em um bordo de T-9-X, eu sempre pensava que o 8 ia bater. Eu sempre achava que iria acertar a queda na gaveta em limit hold’em, o que definitivamente é uma mentalidade ruim. Naquela época, eu perseguia tudo. Se eu sentisse que havia dois outs no baralho, eu definitivamente iria acertar. Sempre que os outs não vinham, eu me perguntava o que eu estava fazendo, mas então incorretamente perseguia uma queda novamente. Isso foi bem antes de eu saber qualquer coisa sobre pot odds, quais quedas você deve perseguir, e se há o número certo de pessoas na mão para faze-la valer a pena, e assim por diante.

“No entanto, você aprende à medida que joga, e isso obviamente foi há muito tempo atrás. Quando fiz a transição para o jogo de no-limit hold’em, me acostumei ao poker de torneios, e meu estilo se desenvolveu para um estilo louco, onde eu tentava pegar todas as fichas. Acabou que isso realmente tinha sucesso em formato de torneio. Isso me fez entender que você não precisa jogar de forma louca em cash games para ter sucesso; você pode esperar e ser paciente. Quando eu jogava cash games no princípio, eu era muito impaciente, e queria colocar todo o dinheiro no pote, o que é algo que você não precisa fazer.
“Se você conseguir se ajustar e aprender através de seus erros no início, você estará bem. Acredito que fui capaz de me ajustar, e, portanto, sou capaz de jogar tanto torneios quanto cash games estes dias. Você tem que entender que está fazendo algo errado quando consistentemente perde em cash games. O processo de minha melhoria foi de perder e aprender. Acho que se você não tem um algum tipo de expert ou jogador de classe mundial para lhe ensinar, grindar nos feltros realmente é a melhor forma de descobrir o que é certo e o que é errado – tentativa e erro”.




GOSTOU DO ARTIGO?
Assine a Card Player Brasil. Você leva 12 edições impressas + LIVRO GRÁTIS!

QUERO ASSINAR!

NESTA EDIÇÃO



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Capivari, 304 - Conjunto 02 - Serra - Belo Horizonte/MG - CEP:30220-400
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123
LEIA TAMBÉM!×