● VEGAS TIME:   Acompanhe os bastidores e novidades dos brasileiros na World Series of Poker 2017

BSOP

“Acho muito difícil eu não estar brigando pelo bi no final de 2017”, diz Rodrigo Zidane

Campeão brasileiro concedeu entrevista exclusiva à Card Player Brasil


28/12/2016 14:12
» comente
“Acho muito difícil eu não estar brigando pelo bi no final de 2017”, diz Rodrigo Zidane/CardPlayer.com.br
Rodrigo Zidane acumulou 2.910 pontos ao longo de oito etapas do BSOP 2016 (foto: Luis Bertazini)


Primeiro jogador do país a alcançar o status Supernova Elite e único tricampeão do SCOOP, Rodrigo “Zidane” Caprioli acredita que pode se tornar o primeiro bicampeão brasileiro de poker. 


Em entrevista exclusiva ao jornalista Marcelo Souza, Editor da Card Player Brasil, o profissional afirmou que em 2017 o seu plano é se dedicar a disputa do ranking logo na primeira etapa da temporada. 


Desde a criação do atual ranking do BSOP, em 2012, todos que brigaram pelo bicampeonato nunca conseguiram ficar no top 10 da classificação. 


Veja como foi o nosso bate-papo com o Zidane:


Marcelo Souza: Torneios ao vivo são rentáveis, mesmo com tributação?


Rodrigo Caprioli: Claro, tanto aqui como na Europa. O problema é que, às vezes, a pessoa se deslumbra demais, quer jogar jogos mais caros em que a oscilação é realmente absurda e o nível é muito alto. Mas se você escolher bem os torneios, notará que há eventos com nível muito fraco, de muitos jogadores recreativos. Mas o ponto maior é controlar muito bem os gastos. Se você vai com o objetivo de lucrar, você tem que ficar nos hotéis mais baratos, economiza na comida, comprar passagem antecedência. E você também não pode ser excludente, ao vivo principalmente. Jogar torneios não lhe impede de jogar cash games. Você deve ter a mentalidade de um jogador de poker, não de um jogador de torneios. E onde há grandes torneios, pode ter certeza que há cash games em que o nível de jogo é bem fraco. O cash ajuda muito a diminuir a variância dos torneios.


MS: Em 2017 teremos o Zidane na briga pelo bicampeonato? 


RC: Sim, com certeza. E acho que é muito difícil eu não estar brigando pelo topo no final do ano. Mil fatores podem decidir o ranking. Um flip que você perde em uma reta final, um Main Event que um adversário crava ou fica em segundo e outros detalhes. Mas, no ano que vem, vou jogar tudo desde o início. Não será surpresa vocês me verem no top 5 do ranking geral e do de Omaha.  


MS: Qual a lição que fica com o título? 


RC: Que o poker é divertido. Eu amo o poker e amo a competição. Foi uma rotina louca. Muita adrenalina. Muitas contas, estratégias, decidir qual torneio jogar, saber quando se segurar para entrar ITM. A competição foi muito acirrada. Todos eram muito bons, o que deixou tudo ainda mais divertido. No ano que vem, espero estar repetindo tudo isso de novo.


Confira a íntegra da entrevista na CardPlayer Brasil - Edição 113. Para se tornar assinante, clique AQUI.


 



+BSOP



A CardPlayer Brasil™ é um produto da Raise Editora. © 2007-2017. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem prévia autorização.

Lançada em Julho de 2007, a Card Player Brasil reúne o melhor conteúdo das edições Americana e Européia. Matérias exclusivas sobre o poker no Brasil e na América Latina, time de colunistas nacionais composto pelos jogadores mais renomados do Brasil. A revista é voltada para pessoas conectadas às mais modernas tendências mundiais de comportamento e consumo.

Sede: Rua Capivari, 304 - Conjunto 02 - Serra - Belo Horizonte/MG - CEP:30220-400
contato@cardplayer.com.br
31 3225-2123